SpaceX

Acidente na SpaceX. Foguetão Falcon 9 falha aterragem e cai no Atlântico

124

Falcon 9 da SpaceX devia ter aterrado em solo, mas caiu no oceano. É o primeiro acidente desde 2016. Carga foi enviada para o espaço com sucesso. Emissão foi cortada no momento do acidente.

NASA via Getty Images

Um foguetão Falcon 9 da SpaceX falhou o local de aterragem esta quarta-feira e despenhou-se no oceano Atlântico, confirmou Elon Musk, líder da empresa, nas redes sociais. Este é o primeiro acidente da SpaceX com um Falcon 9 desde que a companhia decidiu reabilitar esta frota de foguetões, em 2016. Sete minutos após levantar voo, e depois de deixar uma cápsula Dragon em órbita com sucesso, o foguetão devia ter aterrado numa plataforma de cimento no Cabo Canaveral (EUA). Mas perdeu controlo e caiu na água.

De acordo com as explicações de Elon Musk no Twitter, o acidente foi causado por um problema numa das grelhas na parte inferior do foguetão, que é responsável por conduzir o propulsor até ao local de aterragem pretendido. Apesar de o erro ter levado o foguetão para dentro de água, a SpaceX espera ser capaz de recuperar o Falcon 9: “Ele não parece estar danificado e continua a transmitir dados”, anunciou o presidente da companhia.

Apesar de ser possível recuperar o Falcon 9, o acidente põe fim a meses de sucesso a fio com o foguetão. Depois de serem enviados para o espaço, os Falcon 9 podem aterrar numa plataforma móvel posta no oceano ou então numa plataforma de cimento construída em terra, no Cabo Canaveral. As imagens da SpaceX a aterrar foguetões são famosos por parecerem vídeos a rebobinar a partir de um lançamento. Até esta quarta-feira a SpaceX tinha sido capaz de fazer 12 aterragens seguidas em terra. E o último erro numa aterragem em mar tinha sido em junho de 2016.

Agora houve o primeiro acidente desde então com um Falcon 9. Antes disso, o mais recente problema com um foguetão da SpaceX tinha sido em fevereiro de 2018, mas com um Falcon Heavy, um veículo espacial com três propulsores. Nessa altura, os dois núcleos externos do foguetão pousaram com sucesso praticamente ao mesmo tempo nas plataformas de aterragem, mas o núcleo central ficou sem fluido de ignição e caiu no oceano Atlântico.

Quanto ao acidente de esta quarta-feira, Elon Musk garantiu que “há um navio de recuperação a caminho” do local do acidente. A Comissão de Gestão de Emergências diz que a queda do Falcon 9 no mar não representa qualquer perigo para a população: “Em termos de segurança pública, o veículo fica mesmo muito longe de qualquer estrutura onde possa representar o mais pequeno risco para a população ou propriedades”, garantiu um porta-voz. Nem mesmo a tripulação a bordo do navio que vai recuperar o foguetão está em perigo: antes de cair, e percebendo que estava descontrolado, o foguetão soltou os combustíveis que tinha no tanque.

Enquanto isso, a cápsula Dragon abriu os painéis solares e conseguiu chegar à Estação Espacial Internacional. A missão não foi minimamente afetada pelo acidente. Lá dentro segue comida para a tripulação a bordo do laboratório espacial, que agora tem três novos habitantes: Anne McClain (Estados Unidos), David Saint-Jacquesof (Canadá) e Oleg Kononenkoof (Rússia). Os dois astronautas e o cosmonauta foram os primeiros a chegar à Estação dois meses depois de a Roscosmos ter suspendido todos os voos tripulados para o espaço após um acidente com um Soyuz.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)