100% português

Swit. Está na hora da caminha com estilo

Parece escandinava mas é portuguesa, tem um toque vintage mas pouco mais de um ano. A Swit faz camas e acredita que um simples móvel pode fazer toda a diferença na decoração do quarto dos miúdos.

Autor
  • Ana Dias Ferreira

Há fazer a cama e fazer a cama. No caso de Sofia Cassis, não bastou puxar a colcha e esticar os lençóis. Quando foi preciso tirar as grades ao filho de dois anos, agarrou numas tábuas de madeira, num serrote e num martelo, e construiu-lhe uma cama.

Nessa altura a designer de interiores estava algures entre freelancer com clientes pontuais e mãe a tempo inteiro. “Não sei se por estar em casa, acompanhava mais o quarto dos miúdos e achava que todos eram iguais. Nada contra, mas toda a gente vai ao Ikea e eu queria uma coisa diferente.” Daí vieram as tábuas que comprou, já antigas, e que serrou com um formato original: com laterais levantadas na zona dos pés e da cabeceira, para evitar que o filho caísse durante o sono. Sofia queria uma coisa diferente, mas os amigos que viram o que ela construiu quiseram igual. Aos poucos, começaram as encomendas, o catálogo profissionalizou-se e em julho de 2017 nasceu uma marca.

Todas as camas de bambu são feitas à mão, em Lisboa. © Swit

Hoje, a Swit tem seis modelos diferentes, de inspiração escandinava ou vintage, mas a filosofia continua a ser a mesma: camas feitas à mão ou acabadas manualmente, com pormenores únicos, na zona de Sintra e Lisboa. Às primeiras de madeira, a designer juntou entretanto o bambu, antevendo uma tendência que voltou em força nos últimos meses. Mais uma vez, pode agradecer à prole: “Quando a minha filha mais nova nasceu, há três anos, quis que ela tivesse um berço de bambu e acabei por ter de encomendá-lo de França, em segunda mão. Antigamente era só o que se usava mas tinha desaparecido. Fiquei surpreendida.” Da surpresa às incursões em oficinas, encontrou um senhor que ainda sabe fazê-los à mão e desenhou não apenas berços mas também camas de grades e até para solteiro.

Sim, porque a Swit cresceu em tamanho e no próximo ano prepara-se para crescer em altura, com o lançamento dos primeiros beliches, que se vêm assim juntar às camas de gaveta na festa dos quartos partilhados. Dos berços aos tamanhos maiores, todas as camas são feitas por encomenda e os preços variam entre os 300 e os 600 euros.

A primeira cama que Sofia criou: com laterais levantadas na zona dos pés e da cabeceira, para evitar que o filho caísse durante o sono. © Swit

Surpresa das surpresas, os nórdicos que tanto inspiraram o corte do primeiro modelo, feito em casa, são o principal cliente estrangeiro da marca, que também já chegou à Coreia do Sul. Quanto a quem tem pedido mesas de cabeceira para juntar à mobília, vai ter de esperar. Por enquanto a Swit está apostada em dar bons sonhos às crianças. E em termos de decoração, Sofia continua a acreditar que quem faz a cama, faz o quarto inteiro.

Nome: Swit
Data: 2017
Pontos de venda: Loja online e Enfant Terrible
Preços: 300€ a 600€

100% português é uma rubrica dedicada a marcas nacionais que achamos que tem de conhecer.

Artigo originalmente publicado na revista Observador Lifestyle nº 2.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Na Caverna da Urgência

António Bento

A principal queixa do homem contemporâneo é a de uma permanente e estrutural sensação de «falta de tempo». Há uma generalização da urgência a todos os domínios da experiência e da existência moderna.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)