Angola

Angola implementa o Sistema Geral de Divulgação de Dados Reforçado do FMI

Num comunicado, o FMI indica que o sistema visa melhorar a publicação de dados macroeconómicos oficiais referentes a Angola, particularmente através da Página Nacional de Síntese de Dados.

JOAO RELVAS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Angola implementou este mês o Sistema Geral de Divulgação de Dados Reforçado do Fundo Monetário Internacional (FMI), medida que foi saudada pela instituição financeira internacional, que salientou a importância do processo na definição da política económica.

Num comunicado, o FMI indica que o sistema visa melhorar a publicação de dados macroeconómicos oficiais referentes a Angola, particularmente através da Página Nacional de Síntese de Dados (NSDP), também referida por “central de dados” económicos, ou ainda e-GDDS.

O e-GDDS foi lançado pelo Conselho Executivo do FMI em maio de 2015, substituindo o GDDS, criado em 1997, com o objetivo de apoiar a melhoria da transparência dos dados, encorajar o desenvolvimento estatístico e ajudar a criar sinergias entre a disseminação de dados, formulação de políticas e assistência técnica.

A NSDP será postada na Plataforma Aberta de Dados (ODP) de Angola, providenciada pelo Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), no âmbito do projeto ?Autoestrada da Informação Africana'”.

Louis Marc Ducharme, coordenados do Departamento de Estatísticas e da Divulgação de Dados Económicos do FMI, citado num comunicado da organização, saudou a medida tomada pelas autoridades de Luanda, realçando que constitui um “passo em frente” para a divulgação de dados económicos.

“A publicação dos dados no NSDP constitui um bem público no apoio à transparência das informações, em benefício dos decisores políticos, investidores e do próprio público”, sublinhou Louis Marc Ducharme.

A 02 de outubro, num comunicado, o Ministério das Finanças angolano, garantiu que o sistema estaria operacional em Angola até fins de novembro.

Na ocasião, assumiu que a publicação dos principais dados macroeconómicos através da NSDP “facilitará aos decisores políticos, interessados domésticos e internacionais, incluindo investidores e agências de notação”, o acesso à informação que o Conselho Executivo do FMI identificou como sendo crucial para o acompanhamento da conjuntura económica e financeira do país.

Para o Ministério das Finanças angolano, tornar a informação mais acessível, em formatos que possam ser lidos tanto por pessoas como por computadores e mediante um calendário previsto de publicação, “permitirá que todos os utilizadores tenham acesso simultâneo a dados pontuais”, trazendo “mais transparência à informação e reduzindo os custos de Angola” na comunicação de dados a outros órgãos.

A decisão de avançar com a medida surgiu na sequência de uma diretiva de 2015 do Conselho de Administração do FMI, que enviou a Luanda uma missão específica entre 19 e 25 de setembro deste ano para ajudar a finalizar a operacionalidade do sistema.

Além de estar disponível no portal on-line do Ministério das Finanças – www.minfin.gov.ao -, haverá também uma ligação ao NSDP no Boletim de Normas de Divulgação de Dados (DSBB) do FMI – https://dsbb.imf.org, que reportarão as informações do próprio departamento governamental angolano, do Banco Nacional de Angola (BNA) e do Instituto Nacional de Estatística (INE) local.

O projeto do e-GDDS recebeu o apoio financeiro do FMI e do BAD, desconhecendo-se o montante envolvido.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)