Degelo

Degelo na Gronelândia está fora de controlo

734

Um novo estudo publicado na revista científica Nature revela que caso os glaciares da Gronelândia derretam têm água suficiente para fazer subir o nível médio das águas em sete metros.

O gelo dos glaciares é produzido por várias camadas de neve compactada e cristalizada, de várias épocas e em regiões onde a acumulação de neve é superior ao degelo

Getty Images

Os glaciares da Gronelândia caso derretam têm água suficiente para fazer subir o nível médio das águas em 23 pés, ou seja, em sete metros. A conclusão é de um estudo divulgado esta quinta-feira na revista científica Nature. 

Os glaciares da Gronelâdnia estão a derreter a uma velocidade sem precentes ao longo deste século e isso não é novidade. Ainda assim, um novo estudo revela que atualmente os glaciares estão a derreter a uma velocidade 50% superior quando comparados com os níveis industriais e cerca de 33% mais do que no século XX. 

Para determinarem a rapidez com que o glaciares da Gronelândia estão a derreter os cientistas utilizaram um instrumento específico, um género de broca do tamanho de um poste de eletricidade para obter amostras do núcleo do glaciar. As amostras recolhidas foram retiradas de locais onde o nível médio das águas estava a mais de 6 mil pés acima do nível médio das águas.

O estudo revela também que a perda de gelo neste local é causada principalmente pelo ar mais quente do verão e mesmo os pequenos aumentos da temperatura podem desencadear aumentos exponenciais na taxa de derretimento do gelo.

Da mesma foram que a atmosfera continua a aquecer, o degelo irá superar esse aumento e continuar a acelarar “, explica Luke Trusel, professor assistente na Rowan University e co-autor do estudo.

Segundo Trusel, o pensamento atual da comunidade científica é que existe um limiar de temperatura que pode desencadear um ponto sem retorno para o eventual derretimento das camadas de gelo da Gronelândia e da Antártida. E apesar de ainda não se saber ao certo, o ponto de inflexão da temperatura certo é que “quanto mais aquecemos, mais o gelo derrete”

Assim que as lâminas de gelo atinjam esses  esses pontos críticos, acrita-se que é um recuo irreversível e irão responder ao que fizemos durante séculos e milénios”, reitera Trusel.

A investigadora Sarah Das salienta ainda que, embora a ciência muitas vezes se concentre nos impactos futuros do aquecimento global, os resultados mostram que o clima está a passar por mudanças extremamente significativas. 

Na  24.ª conferência da Organização das Nações Unidas (ONU) para o clima, no passado dia 2 de dezembro na Polónia, a representante da ONU para a Mudança do Clima, Patrícia Espinosa, já tinha alertado para os efeitos irreversíveis do aquecimento global e considerou que a comunidade internacional deve dar uma resposta urgente a este assunto.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)