África

Angola e República do Congo “afinam” segurança e controlo fronteiriço

Angola e a República do Congo analisaram este sábado, em Brazzaville, a segurança e controlo das fronteiras terrestre e fluvial dos dois Estados vizinhos.

AMPE ROGERIO/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Angola e a República do Congo analisaram este sábado, em Brazzaville, a segurança e controlo das fronteiras terrestre e fluvial dos dois Estados vizinhos, indica uma nota da embaixada angolana na República do Congo.

Segundo a nota, no encontro entre o chefe da missão diplomática angolana em Brazzaville, Vicente Muanda, e o ministro da Defesa congolês, Charles Richard Mondjo, os dois países analisaram a cooperação militar bilateral, tendo salientado a necessidade do reforço dos mecanismos de coordenação em matéria de defesa e segurança entre Angola e os países da Região dos Grandes Lagos.

No documento, os dois países indicam que a intenção é “afinar a segurança e o controlo” na fronteira comum de cerca de 200 quilómetros, junto ao enclave da província angolana de Cabinda (norte).

Angola tem em curso a “Operação Transparência”, que visa o combate à exploração e à imigração ilegais, tendo já procedido ao repatriamento “voluntário” de cerca de 4.000 cidadãos da República Democrática do Congo (RDC) que estavam em situação irregular no território angolano.

A operação, iniciada em setembro passado, está a decorrer, sobretudo, nas províncias angolanas do norte e leste do país.

No quadro da cooperação bilateral no ramo da defesa, 200 militares da República do Congo concluíram, este ano, em Cabo Ledo (a sul de Luanda), os cursos de inteligência militar e de operações especiais.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)