Rádio Observador

Aston Martin

Eléctrico de luxo enfrenta Porsche, Audi e Tesla

159

As berlinas de luxo eléctricas, com altas performances, vão receber mais um concorrente de peso, produzido pela Aston Martin. O Rapide E promete 610 cv, o que lhe permite bater-se com a concorrência.

Não estão ainda disponíveis todos os detalhes relativos ao Rapide E, a berlina de luxo eléctrica que a Aston Martin está a desenvolver desde 2015 e que se prepara para começar a entregar no último trimestre de 2019. Mas sabe-se o que é mais importante: vai surgir nos próximos 12 meses uma berlina de luxo, com base no próximo Rapide, cuja versão 100% eléctrica vai estar equipada um motor potente e possuir um comportamento eficaz e muito luxo interior.

De início, em 2015, quando a Aston Martin apresentou o primeiro protótipo Rapide E, suportado ainda pela plataforma anterior, o construtor inglês falava numa potência entre 800 cv e 1.000 cv. Isto numa fase em que não sabia ainda concretamente como iria evoluir o mercado no topo de gama dos veículos eléctricos, que continua a ser liderado pelo Tesla Model S, que a Porsche, com o Taycan, e a Audi, com o e-tron GT (essencialmente a mesma plataforma e mecânica), visam combater, com todas as vantagens inerentes ao seu estatuto de fabricantes de luxo.

A Aston Martin, que tem entre mãos uns ‘brinquedos’ impressionantes, como o Valkyrie, desenvolvido a meias com a equipa de F1 da Red Bull, com mais de 1.000 cv, está apostada em tirar para si uma importante “fatia deste bolo”, pelo que já prometeu para o final de 2019 a entrega das primeiras unidades do Rapide E: o luxo sobre rodas, animado por um motor eléctrico alimentado por baterias, que lhe permite não produzir emissões nocivas.

Limitando a produção do Rapide E a apenas 155 unidades – referente obviamente a uma edição especial, a que se seguirá a fabricação em série –, a marca britânica anuncia que recorreu a uma parceria com a Williams Advanced Engineering, para fazer evoluir mais rapidamente o seu sistema eléctrico. O resultado é um veículo, por dentro com o mesmo nível de sofisticação e equipamento das unidades a gasolina, mas montando uma bateria de 65 kWh no lugar habitualmente ocupado pelo enorme V12, com seis litros de capacidade. O curioso é que as células desta bateria, não muito grande para um veículo com estas dimensões e potência, são as 18650, as baterias cilíndricas que a Tesla utiliza para os Model S e X, mas já não para o mais recente e sofisticado (neste aspecto) Model 3, que recorre às 30% maiores 21700.

Interessante é o facto de o Rapide E montar um sistema eléctrico de 800V, tal como o Taycan e o Audi e-tron GT, o que lhe garante recargas mais rápidas, por conseguir aceitar uma potência superior, sendo que, ao contrário dos Model S, Taycan e e-tron GT, monta apenas um motor eléctrico na traseira (mantendo a tradicional caixa de velocidades), abdicando assim das quatro rodas motrizes.

Contudo, o Rapide E vai usufruir de 610 cv e um torque de 950 Nm, forma mais que suficiente para fazer “voar” a luxuosa berlina. A prova é que a Aston Martin anuncia menos de 4 segundos de 0-100 km/h e 250 km/h de velocidade máxima. Resta aguardar um pouco mais para conhecer a estética do modelo, que não deverá afastar-se muito dos esquemas divulgados pelo fabricante.

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt
Política

Alguns mitos da democracia portuguesa /premium

André Abrantes Amaral

Alguns mitos desta democracia: que está tudo bem, que os portugueses são racistas e que a direita não existe porque é socialista. Contudo, como sucede com os verdadeiros mitos, estes também são falsos

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)