Rádio Observador

Catalunha

Sánchez ameaça presidente catalão. Ou os Mossos garantem a ordem pública ou envia polícia para a Catalunha

O Governo espanhol ameaça enviar a Polícia Nacional para a Catalunha caso a polícia regional catalã não assegure a ordem pública na região.

Pedro Sánchez, primeiro-ministro espanhol, faz um aviso à Catalunha após declarações do presidente da Catalunha, Quim Torra

Juanjo Martín/EPA

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sanchez, ameaçou esta segunda-feira o presidente do Governo regional da Catalunha com o envio de elementos da Polícia Nacional para a região, caso a polícia regional, os Mossos d’Esquadra, não garantam a ordem pública. Esta tomada de posição do governo espanhol surge um dia depois de o presidente do governo regional da Catalunha, Quim Torra, ter sugerido este fim-de-semana a aplicação da via eslovena (que acabeou por resultar numa guerra com dezenas de mortos) para conseguir a independência.

Sánchez enviou três cartas à Generalitat (governo regional catalão) com a sua posição: uma ao vice-presidente da Catalunha, Pere Aragonés, outra ao ministro regional das Obras Públicas, José Luis Ábalos, e uma última ao titular regional do Interior, Fernando Grande-Marlaska. Em causa está a falta de atuação dos Mossos nos cortes de estrada — em forma de protesto — que se registaram no passado fim de semana na Catalunha.

Estes cortes de estrada foram protagonizados pelos CDR (Comités de Defesa da República) órgãos populares, incentivados pelos setores independentistas, que promovem de forma ativa a via da independência defendida pela Generalitat (e pela anterior, liderada por Carles Puigdemont).

A carta mais dura e agressiva foi a dirigida ao ministro regional do Interior. Nela, o executivo espanhol frisou o artigo da lei “Corpos e Forças de Seguridade do Estado”, que permite ao governo enviar elementos da Polícia Nacional espanhola à região catalã caso os Mossos não garantam a segurança dos cidadãos. Não se trata da aplicação do artigo 155 (como fez o anterior governo, de Mariano Rajoy) porque a Polícia não ficaria com controlo sobre os Mossos, mas representa mais uma avolumar da desconfiança para com o governo catalão.

A desordem na Catalunha e a defesa pública de Quim Torra pela “via eslovena” fez com que a posição do governo espanhol mudasse completamente a sua linguagem face à Catalunha. Além da posição administrativa do governo espanhol para controlar a situação, a advocacia ao serviço do Estado espanhol está a estudar medidas para que Torras cesse funções, noticia o El Mundo. 

A tensão vivida na Catalunha já impediu a circulação de pessoas e mercadorias e está a ser apelidado de “inadmissível”, “intolorável” e “irresponsável” pelo executivo espanh0l. O Governo anunciou ainda que dia 21 se realizará um conselho de ministros em Barcelona.

O governo espanhol enfrente uma tempestade perfeita na Catalunha, escreve o El País. Uma semana depois do fiasco nas eleições andaluzas (que pode levar à queda do PSOE na região pela primeira vez em 36 anos, vários setores do PSOE temem agora que a crise catalã lhes arruíne as expectativas eleitorais. No meio disto, o independentismo catalão iniciou uma escalada com duas vertentes: os cortes de estrada por parte dos Comités de Defesa da República (CDR) — que cortaram importantes vias de circulação — e a posição de Quim Torra, que não só tem exigido aos Mossos que não atuem contra os CDR, como tem defendido todas as consequências da “via eslovena”, que resultou em 74 mortos após um referendo de auto-determinação.

Sánchez está no poder depois de ter promovido uma moção de censura ao PP de Mariano Rajoy. Foi eleito primeiro-ministro com o apoio do Podemos (extrema-esquerda) e de vários grupos parlamentares independentistas catalães.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)