Rádio Observador

Internet

Artigo 13 não chega a acordo. Parlamento, Comissão e Conselho adiam discussões

O Comité de Assuntos Jurídicos do Parlamento Europeu anunciou pelo Twitter que não houve consenso quanto ao texto final da diretiva de direitos de autor. A discussão foi adiada para janeiro.

Uma manifestante protesta durante uma ação contra o Artigo 13 da proposta de Diretiva sobre o Direito de Autor no Mercado Único Digital

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

“Não há ainda acordo sobre a diretiva dos direitos de autor digitais. As negociações vão continuar em janeiro”. Esta quinta-feira as equipas da Comissão Europeia, do Parlamento Europeu e dos Conselho de Ministros a cargo das negociações da diretiva de direitos de autor deveriam ter chegado a acordo sobre o o documento que ainda vai precisar de ir a votação. Contudo, a discussão em torno do que deve constar nos polémicos artigo 11º e 13º não o permitiu. A notícia foi avançada pela Exame Informática.

Depois de a diretiva não ter sido aprovada em julho no Parlamento Europeu e, em nova votação em setembro, ter conseguido a aprovação dos eurodeputados, o texto avançou para os ‘trílogos’ (as conversações entre a Comissão Europeia, o Conselho Europeu e o Parlamento). Estas negociações tinham como prazo de acordo dezembro. Contudo, com a contestação que a possível criação de a diretiva poder obrigar os sites na Internet a aplicar filtros automáticos que, preventivamente, não vão permitir que conteúdos protegidos por direito de autor possam ser partilhados, a discussão ainda vai continuar. A próxima reunião para se chegar a um acordo está marcada para 14 de janeiro, avança o TechDirt.

Segundo o mesmo meio, a maioria dos legisladores envolvidos na discussão desta nova diretiva, que tem como objetivo regular os direitos de autor no mercado digital, continua a insistir nestes filtros que podem mudar drasticamente a forma como se partilha conteúdos na Internet.

Recentemente, representantes da indústria discográfica de entretenimento, como a Vivendi da Universal Music Group, ou a Eurocinema, afirmaram que o texto da diretiva em discussão “não vai ao encontro do propósito da diretiva de corrigir o value gap [a falha de lucros que estes detentores de direitos de autor afirmam ter com site de partilha de conteúdos como o YouTube]”. Como noticiou o Music Businees Worldwide, estas associações, numa carta aberta, referem que se a diretiva deixar os detentores de direitos de autor “numa pior posição” do que a que se encontram atualmente, que não deve avançar.

A manifestação de interesses destas associações levou a protestos de críticos da legislação que afirmam que esta carta aberta demonstra que a intenção do lobbying destas associações é apenas prejudicar sites de partilha de conteúdos na Internet para aumentarem os lucros e não realmente proteger os direitos de autor.

Recentemente, em Portugal, o tema da nova legislação para direitos de autor levou a representante portuguesa da Comissão Europeia, Sofia Colares Alves, a pronunciar-se sobre a diretiva em resposta ao YouTuber Paulo Borges, conhecido como ‘Wuant’. O artista, que publica regularmente conteúdos no YouTube, insurgiu-se num vídeo publicado no final de novembro, contra a forma como a discussão da nova lei está a ser feita, tornando-se o rosto da oposição desta diretiva e do movimento “Save Your Internet” [Salvem a vossa Internet]. O YouTuber referiu que a discussão da diretiva é um “boicote” dos media e das produtoras.

O texto final desta legislação que, dependendo de como estipula os polémicos artigos 11º e 13º, pode impactar a forma como se utiliza a Internet, só deve agora ser conhecido em janeiro. Quanto a ir a aprovação ao Parlamento Europeu, não é ainda possível definir uma data. O objetivo dos atuais promotores da iniciativa legislativa é tentar que vá novamente ao Parlamento Europeu antes de maio, altura em que há novas eleições europeias e muitos dos eurodeputados poderão não continuar no cargo.

O governo português, em 2017, foi um dos governos, juntamente com o espanhol e francês que propôs a obrigação normativa para, a ser aprovada esta nova diretiva, existirem os polémicos filtros automáticos que impedem que um utilizador possa sequer fazer o upload de conteúdos que o sistema considere violar direitos de autor. Atualmente alguns destes sistemas já são utilizados por plataformas como o YouTube ou Facebook, mas com muitas ‘áreas cinzentas’ que não podem ser avaliadas por um sistema informático, a solução de impedir que os conteúdos sejam sequer publicados tem sido apelidada de “censura”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)