Político Esfaqueado ou é Morto ou é Eleito: eis o título do décimo livro da jornalista e apresentadora Judite Sousa, que chegará às livrarias no dia 3 de janeiro e será apresentado publicamente nesse dia pelo diretor de informação da TVI, Sérgio Figueiredo, na livraria Leya na Bucholz, em Lisboa.

O anúncio foi feito em comunicado à imprensa enviado pelo grupo Leya, que edita a obra. No comunicado, é mencionado que o livro tem como ângulo principal “o perigo da extrema-direita, aliado ao poder das tecnologias”, partindo do exemplo de Jair Bolsonaro, nomeadamente da estratégia de comunicação (muito assente nas plataformas digitais) que o então candidato à presidência do Brasil utilizou para falar ao país, depois de ter sido esfaqueado por um eleitor durante a campanha.

A obra “pretende ser um olhar diferente para perceber as democracias atuais” e começou a surgir quando “em outubro, Judite Sousa chegou ao Brasil para fazer a cobertura da campanha da segunda volta das eleições presidenciais e encontrou um país a gritar por mudança”, relata o grupo editorial que promove a obra.

[A capa do décimo livro de Judite Sousa:]

O que Judite Sousa encontrou no Brasil, durante a segunda volta das eleições presidenciais, foi um candidato que “foi obrigado a ficar em casa” e que se tornou “invisível” nos media tradicionais (como a televisão), nos comícios e arruadas e no debate político público. A opção de Bolsonaro foi usar “as redes sociais para fazer passar as suas mensagens ao eleitorado brasileiro, um meio de comunicação privilegiado das novas tecnologias”.

Assim, Judite Sousa inspirou-se na utilização das redes sociais por novos políticos disruptivos e radicalizados (no caso, Bolsonaro é enquadrado na extrema-direita) para dissertar sobre a relação entre as plataformas digitais, os media e estes novos políticos, que comunicam diretamente com o eleitorado, sem intermediários que filtrem as declarações e opiniões. A reflexão permitiu-lhe “analisar outras democracias que aparentam estar em crise e onde os eleitores são conquistados através do WhatsApp, do Facebook, do Twitter e das fake news — esse fenómeno viral que elege ou destitui políticos e ensombra a História contemporânea”.

Bolsonaro, um tiro no escuro

Este será o décimo livro publicado por Judite Sousa desde 2002, ano em que publicou a primeira obra, Olá Mariana. Depois de um interregno, a jornalista e apresentadora da TVI retomou a publicação de livros há precisamente dez anos, em 2009, tendo publicado oito obras desde então.

Só este ano, Judite Sousa publicou dois livros: Duas ou Três Coisas Sobre Mim (descrito como “uma viagem pelos bastidores de uma profissão que apaixona Judite Sousa há quase quarenta anos” e também por “a sua vida para lá do jornalismo”) e Não Me Olhes com Esse Tom de Voz, este último sobre “o amor, a sexualidade e as relações no mundo de hoje” e escrito com a médica Maria do Céu Santo.

As 10 frases que marcaram a campanha eleitoral mais polémica de sempre no Brasil