Marcelo Rebelo de Sousa

Presidente da República deixa aviso contra a “mera afirmação específica, setorial”

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, alertou para os riscos de haver um clima eleitoral que se vai prolongar durante todo o ano, realçando que é preciso "não perder a coesão social".

RODRIGO ANTUNES/LUSA

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, alertou esta terça-feira para os riscos de haver um clima eleitoral que se vai prolongar durante todo o ano, realçando que é preciso “não perder a coesão social”.

“Estamos a cinco meses das primeiras eleições. Começou muito cedo a campanha eleitoral [para as europeias]. Que não se perca a coesão social, que é o mais importante, e, depois, que se separe o essencial do acessório”, disse o Presidente da República.

O chefe de Estado falava aos jornalistas à entrada para um almoço de Natal com quatro famílias luso-venezuelanas que estão a viver atualmente em Estarreja, no distrito de Aveiro.

O que é essencial é a força da democracia, é haver condições para a estabilidade, é haver melhores condições económicas, sociais, culturais para os portugueses. Acessório é tudo aquilo que é apenas mera afirmação pessoal ou específica, setorial”, esclareceu.

Apesar da legitimidade dessa afirmação pessoal, sublinhou, o importante é ter “um Portugal que seja no final de 2019 mais rico, mais justo, mais coeso” do que no final deste ano.

O Presidente da República falou ainda de uma “corrida contra o tempo”, observando que a maioria dos partidos com assento parlamentar já indicou o cabeça de lista, e disse que isso “pode muitas vezes criar um clima eleitoral que vai, porventura, prolongar-se durante todo o ano”.

Para Marcelo, um ano de clima eleitoral significa “um ano em que não se pode perder” aquilo que aproxima as pessoas, “apesar de haver o pluralismo e a diferença e diversidade de opiniões”.

O encontro com as famílias luso-venezuelanas em Estarreja, que contou com a presença do secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Cesário, serviu para homenagear as comunidades portuguesas e em particular os portugueses que vivem na Venezuela.

“Não esquecemos os que estão em todos os pontos do mundo, mas recordamos os que estão na Venezuela, e que o secretário de Estado e o ministro dos Negócios Estrangeiros têm visitado e acompanhado e permanentemente”, disse o Presidente da República.

Marcelo deixou votos de um bom Natal a todos os portugueses espalhados pelo mundo, lembrando aqueles que vivem situações “muito difíceis” em vários países.

“O caso da Venezuela é um caso de que se fala muito, mas temos casos em África e na Europa em que, devido às agitações que houve durante este ano, devido às crises e aos conflitos, às migrações e aos refugiados, houve muitos compatriotas que sofreram muito por toda a parte”, disse, lembrando que é preciso apoiá-los “diplomaticamente, consularmente, socialmente, no plano educativo e no plano político”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)