Timor-Leste

Presidente timorense defende investimento na componente naval das forças de defesa

"As Marinhas são dispendiosas, mas constituem um investimento necessário. Não as mantendo, facilmente desaparecem", disse Francisco Guterres Lu-Olo em Hera, a leste da capital timorense.

ANTONIO DASIPARU/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O Presidente da República timorense defendeu este sábado investimento adequado na componente naval das forças de defesa do país, especialmente em navios com “capacidades flexíveis e polivalentes” para garantir a proteção dos recursos marítimos e da soberania nacional.

“As Marinhas são dispendiosas, mas constituem um investimento necessário. Não as mantendo, facilmente desaparecem”, disse Francisco Guterres Lu-Olo em Hera, a leste da capital timorense.

Não nos podemos dar ao luxo de duplicar meios, razão pela qual importa dispor do financiamento adequado para investir na componente naval em navios com capacidades flexíveis e polivalentes capazes de assegurarem um leque amplo de missões e para realizar todas as ações de manutenção necessárias à prontidão operacional destes meios”, afirmou.

Lu-Olo falava na zona de Hera, a leste de Díli, nas comemorações do 17.º Aniversário da Componente Naval das Forças de Defesa de Timor-Leste (F-FDTL).

O chefe de Estado considerou que a ação da componente naval é “fundamental para a segurança e para a atividade marítima de Timor-Leste” e que, por isso, “importa melhorar as necessárias condições de manutenção em terra da frota naval e prosseguir com o reforço da capacidade de vigilância e fiscalização dos espaços marítimos sob soberania e jurisdição do Estado de Timor-Leste”.

“Este grande desafio exige que o Estado dê a devida prioridade ao mar, garantindo a sua boa governação”, afirmou. A escassez de recursos, disse, obriga à criação de um modelo de Sistema Nacional de Autoridade Marítima “adequado à realidade timorense que garanta a colaboração de todas as entidades e instituições civis, militares e policiais, públicas ou privadas, que possam contribuir para um ambiente de segurança marítima”.

“Nesse sentido, a legislação nacional tem vindo a reforçar o modelo de duplo uso, em que a componente naval desempenha as típicas tarefas militares, em paralelo com tarefas não militares, ligadas à segurança marítima e ao exercício da autoridade pública no mar”, disse.

O chefe de Estado reiterou a importância do mar como “desígnio nacional e estratégico e como uma das prioridades nacionais”, mas recordou os desafios que a construção da componente naval tem enfrentado.

“Não foi e não é tarefa fácil transformar guerrilheiros, habituados a uma luta de sobrevivência, numas Forças Armadas convencionais e, muito menos, transformá-los em marinheiros qualificados para servir no mar. Contudo, apesar de Timor-Leste não ter tradição de mar, já conseguimos algum sucesso no desafio da transformação de mentalidades”, acrescentou.

Com uma costa de 700 quilómetros e recursos marítimas importantes, relembrou Lu-Olo, o Estado deve “proteger o mar e criar condições para que passe a desempenhar também um papel importante no desenvolvimento socioeconómico do país e, em especial, na vida das populações costeiras”.

Comemorar o Dia da Componente Naval é também afirmar a importância estratégica do mar, sendo este um dos maiores desafios do nosso País: a forma como encarar a sua relação com o mar”, disse.

“A ausência do exercício de soberania em águas de Timor-Leste foi sempre um problema presente. É portanto, essencial garantir a ocupação efetiva dos espaços sob soberania e jurisdição nacional, evitando vazios que outros tenderão a preencher”, sustentou.

Durante as cerimónias foram plantadas 10 árvores — de 200 distribuídas pelo Ministério da Agricultura e Pescas –, simbolizando a necessidade de proteger o ambiente do país.

“Quero também chamar a atenção dos militares para a importância de cuidarmos da natureza para que possamos continuar a viver em ambiente saudável.  Proteger a natureza é um dos compromissos assumidos por mim, no dia da minha tomada de posse”, disse.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

O desnorte do 1.º ministro /premium

Manuel Villaverde Cabral

Tão inquietante ou mais ainda, o líder do PS e os seus parceiros parecem continuar convencidos que o alegado problema do euro é a Alemanha não querer partilhar os seus ganhos com os outros países

PCP

Patrão santo, funcionário posto fora da loja /premium

José Diogo Quintela

Estou chocado. Nunca pensei que o PCP não cumprisse a lei laboral. Mas o PCP está ainda mais chocado: nunca pensou ser obrigado a cumprir a lei laboral. É que escrevê-la é uma coisa, obedecê-la outra.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)