O antigo Pavilhão dos Desportos do Porto, que em 1991 passou a chamar-se Pavilhão Rosa Mota, vai mudar de nome novamente. O espaço vai ganhar o patrocínio da marca Super Bock e passar a chamar-se Super Bock Arena – Pavilhão Rosa Mota, prevendo-se que comece a acolher “eventos culturais, desportivos e empresariais de grandes dimensões” já a partir deste ano. O pavilhão tem vindo a ser requalificado desde 2017 e as obras de recuperação deverão ficar finalizadas durante o primeiro semestre deste ano. A nova Super Bock Arena contará com uma lotação de até oito mil pessoas e já em fevereiro há uma apresentação pública do novo espaço.

A arquitetura exterior do espaço (@ João Manuel Ribeiro/Global Imagens)

O pavilhão, localizado nos jardins do Palácio de Cristal, no Porto, foi construído no início dos anos 1950, tendo acolhido logo em 1952 um grande evento desportivo — o Campeonato do Mundo de Hóquei em Patins. Nos últimos anos, o interior de edifício esteve em estado de deterioração, pelo que em 2017 iniciaram-se as obras de recuperação. A requalificação e renovação do espaço resulta de um investimento de oito milhões de euros feito por um consórcio constituído pela construtora Lucios e pela empresa privada de organização e promoção de eventos, a maioria dos quais concertos, PEV Entertainment, que venceu o concurso público lançado pela Câmara Municipal do Porto em 2014.

A Super Bock Arena vai tornar-se assim a maior sala de espetáculos fixa do Porto, visto que terá uma lotação bastante superior à do Coliseu da cidade, que tem capacidade para receber até 4 mil pessoas. O objetivo, segundo detalha a administração do consórcio em comunicado, é que o antigo pavilhão desportivo sirva “de polo agregador de outras infraestruturas próximas e relevantes para a cidade, como os jardins do Palácio de Cristal, a Casa do Roseiral, a Biblioteca Almeida Garrett ou o Museu Romântico”.

O seu potencial reflete-se ainda, entre outras oportunidades, na rentabilização da dinâmica que o Turismo tem incutido na cidade, permitindo ao Porto acolher congressos e iniciativas de projeção internacional”, refere ainda a nova administração do espaço.

O processo de recuperação do Pavilhão Rosa Mota foi polémico e conturbado. O júri do concurso público lançado pelo executivo de Rui Moreira, que acabou por ser vencido por este consórcio, começou por excluir duas propostas, uma das quais precisamente a do grupo formado pela Lucios e PEV Entertainment. O consórcio privado recorreu da exclusão junto do Tribunal Administrativo Fiscal e foi-lhe dada razão. Com a luz verde judicial, a Lucios e a PEV Entertainment não só voltaram à corrida da exploração do espaço como acabaram por ser selecionadas para o projeto de recuperação e concessão.

O contrato de exploração implicou que as duas empresas assegurassem o financiamento das obras de requalificação na íntegra e prevê também um pagamento mensal de 20 mil euros à autarquia do Porto, durante um período de 20 anos de concessão. Outra das imposições camarárias era a preservação da arquitetura dos jardins e da configuração exterior do edifício, que foi renovado sobretudo no seu interior.

Tribunal de Contas dá aval e reabilitação do Pavilhão Rosa Mota vai começar

A Câmara Municipal do Porto chegou a considerar a hipótese de recuperar e explorar do espaço, antes de se decidir pela concessão a privados. Em 2005,  o Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) dizia que o estado de deterioração do edifício era tal que estava em risco de cair.