Rádio Observador

Estados Unidos da América

EUA. Discurso do Estado da Nação “está cancelado” por causa do shutdown

Número dois dos Democratas garante que a intervenção do presidente dos Estados Unidos perante o Congresso não vai acontecer devido à paralisação do Governo.

AFP/Getty Images

Steny Hoyer, a segunda figura dos Democratas na Casa dos Representantes norte-americana, garantiu esta quarta-feira que o discurso do Presidente perante o Congresso — o chamado discurso do Estado da União — “está cancelado”. À CNN, Hoyer deixou o aviso: “Durante a paralisação do Governo, as coisas não vão ser feitas como é hábito.”

A intervenção estava prevista para dia 29 de janeiro. O facto de Casa dos Representantes mostrar pouca abertura para que Donald Trump fale ao Congresso — numa intervenção que costuma ser transmitida pelas televisões para todo o país —, não significa, no entanto, que o Presidente dos EUA não tenha alternativas à sua disposição para fazer o discurso.

Por exemplo, falando a partir da Sala Oval. A ideia foi, de resto, admitida por Nanci Pelosi, líder da Casa dos Representantes, aos jornalistas. Horas antes, a democrata tinha enviado uma carta a Donald Trump deixando clara a sua posição sobre a viabilidade de o discurso sobre o Estado da União acontecer.

O documento deixa em aberto outra hipótese: a de que Donald Trump envie o seu discurso por escrito, como aconteceu “ao longo do século XIX e até à presidência de Woodrow Wilson”, recordou Pelosi. A líder da Casa dos Representantes também lembrou que, desde 1977, “um discurso sobre o Estado da União nunca foi feito durante uma paralisação governamental”.

Para sustentar esse obstáculo, Pelosi lembra que há questões de “segurança” que exigem recursos do Governo Federal a que o Governo Federal não tem acesso quando enfrenta uma paralisação.

Infelizmente, dadas as preocupações com a segurança, e a menos que o Governo retome a normalidade esta semana, sugiro que trabalhemos juntos para encontrar outra data adequada depois da reabertura do Governo para que esta intervenção seja feita ou que considere a hipótese de entregar o seu discurso sobre o Estado da União ao Congresso,  por escrito, a 29 de janeiro”, diz a carta que Pelosi enviou a Trump.

Foi na sequência do envio desta comunicação da líder da Casa dos Representantes a Donald Trump que Steny Hoyer surgia frente às câmaras da CNN dando conta de que o discurso não ia acontecer. Até ao momento, não houve qualquer confirmação dessa informação por parte da Casa Branca.

A paralisação do Governo já vai na sua quarta semana consecutiva. É o mais longo período em que um executivo norte-americano esteve impedido de fazer uso dos recursos que tem à sua disposição, e na base desta paralisação está a intenção de Donald Trump avançar com a construção de um muro na fronteira entre os EUA e o seu vizinho a sul, o México.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)