Rádio Observador

MotoGP

Prioridade de Miguel Oliveira é “ganhar quilómetros” no ano de estreia na MotoGP

Miguel Oliveira considera que a moto KTM que vai ter à disposição pode permitir-lhe lutar por uma classificação entre o 10.º e o 15.º lugares, pelo que ambiciona ser "o mais competitivo possível".

Miguel Oliveira, está a pouco mais de um mês de se estrear em competição

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O primeiro piloto português a alcançar a categoria máxima do motociclismo (MotoGP), Miguel Oliveira, está a pouco mais de um mês de se estrear em competição, considerando que o mais importante é ganhar experiência neste primeiro ano.

“Sou rookie [estreante] e ser campeão, para já, está fora do meu horizonte. Os treinos são importantes, mas a experiência só se ganha nas corridas. O meu objetivo nesta primeira temporada é terminar as corridas e ganhar quilómetros”, afirmou aos jornalistas Miguel Oliveira, à margem de um evento em Lisboa.

O vice-campeão do mundo de Moto 2 em 2018 considerou que a moto KTM que vai ter à disposição nesta época pode permitir-lhe lutar por uma classificação entre o 10.º e o 15.º lugares, pelo que ambiciona ser “o mais competitivo possível” no ano de estreia no novo escalão.

Questionado se sonha ganhar o prémio de rookie do ano, Miguel Oliveira desvalorizou esse objetivo, ainda que diga que será positivo caso o consiga. “Ser rookie do ano não me alimenta muito o ego, mas se o alcançar claro que é muito bem-vindo, e também será suado”, assinalou, sublinhando que partilhar a pista com a lenda viva Valentino Rossi não lhe tira o sono. “O Rossi é um adversário como outro qualquer. Respeito-o como respeito outro qualquer”, afirmou.

O piloto de 24 anos, natural de Almada, considerou ainda “histórico ter um português no MotoGP”, revelando que a sua rotina mudou muito pouco face à última época, ainda que admita que “o treino é mais intenso, tal como o calendário”.

Miguel Oliveira foi esta quinta-feira apresentado como um dos novos atletas apoiados pela Meo, a par do piloto de ralis Armindo Araújo, pentacampeão nacional de ralis absoluto, numa cerimónia em que a operadora de telecomunicações anunciou ainda que vai ser a parceira tecnológica da 40.º edição da Rampa da Falperra, uma das mais icónicas provas de montanha da Europa, promovida pelo Clube Automóvel do Minho.

“O objetivo para 2019 é a revalidação do título. Somos campeões nacionais em título e tivemos, em 2018, talvez a melhor prova de ralis da Europa. Temos um campeonato muito bom e cada vez mais competitivo”, realçou Armindo Araújo, que interrompeu a carreira durante cinco anos antes de voltar em grande forma ao ativo no ano passado.

Por seu turno, Alexandre Fonseca, presidente da Altice Portugal (dona da Meo), apontou para o apoio dado pelo grupo ao desenvolvimento do desporto em Portugal, recordando os patrocínios dados a clubes, Federação Portuguesa de Futebol (FPF) e a vários atletas de diferentes modalidades, como Cristiano Ronaldo (futebol) ou Frederico Morais (surf).

“Temos mais dois embaixadores da marca Meo, e são dois dos maiores nomes do desporto motorizado em Portugal”, realçou Alexandre Fonseca, salientando a importância de haver um português na MotoGP e desejando que Armindo Araújo mantenha o seu percurso vencedor.

“Todos os portugueses têm grandes expectativas por termos um português na MotoGP e desejamos que o Armindo Araújo continue a dominar nas quatro rodas”, lançou o responsável.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)