A Raize, uma fintech — empresa que cria software para finanças e bancos — de origem portuguesa, vai criar um “marketplace” de depósitos bancários. Objetivo? “Canalizar” os depósitos bancários do portugueses para novas opções de poupança, refere a empresa em comunicado.

Em Portugal, cerca de 143 mil milhões em depósitos bancários de particulares, dos quais 84% aufere uma remuneração inferior a 0,18% por ano. A maioria dos depósitos estão concentrados em cinco grandes instituições, o que faz com que não haja incentivo para remunerar os aforradores. O marketplace de depósitos da Raize vai ser importante para canalizar recursos para instituições mais pequenas e fomentar a poupança dos portugueses”, diz José Maria Rego, um dos fundadores da Raize.

A Razie não avança ainda informação sobre que bancos vão passar a oferecer estas propostas de investimento, mas refere que será com “bancos nacionais”. Além disso, diz a empresa, o marketplace não vai ter qualquer custo para os depositantes. Como garantia, a empresa afirma que vai criar, por instituição bancária, um fundo de até cem mil euros.

Estes depósitos vão ser definidos por cada um dos bancos em parceria com a Raize. O investimento nestes depósitos mantém-se gratuito e os riscos, existentes em qualquer investimento, estão associados aos negócios nos quais a Raize investe.

Este mercado de depósitos vai utilizar a Chave Móvel Digital, uma ferramenta criada pela Agência da Modernização Administrativa, que permite fazer operações financeiras que antes eram apenas possíveis de fazer presencialmente, como abrir uma conta num banco.

A Raize, fundada em 2014, tem como principal missão investir em pequenas e médias empresas. A startup de tecnologia financeira oferece várias opções de investimento para particulares a partir de baixos valores. Atualmente, é um dos principais investidores de PME’s em Portugal e está cotada na Euronext Lisbon (MLRZE).