Corrupção

“Quem questiona que o país tenha sido vítima de corrupção, está a questionar o inquestionável”

1.252

"Questionar que país tenha sido vítima de corrupção é questionar o inquestionável", afirmou Álvaro Santos Pereira no Parlamento. Ex-ministro é diretor da OCDE que tratou tema em relatório polémico.

DIOGO VENTURA/OBSERVADOR

Era uma audição sobre as rendas da energia, mas o tema da corrupção acabou por vir ao de cima.

Álvaro Santos Pereira, ex-ministro da Economia e diretor da OCDE (Organização da Cooperação para o Desenvolvimento Económica) considera que houve práticas de corrupção em Portugal. Santos Pereira respondia a uma questão colocada por um deputado do CDS durante a audição na comissão parlamentar de inquérito às rendas excessivas do setor elétrico, mas não especificou casos.

Na sua intervenção inicial, Santos Pereira alertou para a existência de “compadrios e ligações perigosas” entre o Estado e os interesses privados no setor da energia e não só. Fatores que contribuíram para a situação a que o país chegou. Hélder Amaral quis saber se o antigo ministro também tinha conhecimento de práticas de corrupção. Sem falar especificamente do setor da energia ou de situação concretas, Álvaro Santos Pereira sublinhou que em Portugal há tantos casos na justiça e assinalou que algumas pessoas começam ser responsabilizadas o que do seu ponto de vista significa acabar com a impunidade.

E invocando uma discussão recente sobre o tema da corrupção e da respetiva perceção, afirmou:

Quem questiona que o nosso país tenha sido vitima de corrupção está a questionar o inquestionável. É uma questão de perceção e de realidade”.

As declarações de Álvaro Santos Pereira são feitas semanas depois de ter sido noticiado o mal-estar dentro do Governo com um relatório da OCDE sobre Portugal que foca em particular o fenómeno da corrupção na economia portuguesa e que pede alterações na justiça e mais meios para o combate à corrupção. A versão preliminar deste documento, que o Governo quis alterar, foi divulgada pelo Observador.  A versão final do Economic Survey será divulgada nas próximas semanas,

Na sua intervenção no Parlamento, Santos Pereira considerou ainda que o mais importante é ter “um quadro institucional anticorrupção que esteja de acordo com as “melhores práticas” e dar recursos necessários à PGR (Procuradoria Geral da República) para que não haja desculpas.

O mal-estar dentro do Executivo sobre o tratamento central que terá sido dado ao tema da corrupção no relatório da OCDE, estamos a falar da versão preliminar que circulou em Portugal, foi assumida publicamente pelo ministro Adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira.

O diretor da OCDE preferiu não comentar casos de compadrio que existem, “nesta e em outras áreas”, porque acha que isso deve ser feito na justiça. “Se sei de algum caso, denuncio, mas não o faço no Parlamento. Nesta e em outras áreas passámos informação”, afirmou sem avançar mais.

No mais recente índice internacional de perceção da corrupção, Portugal surge abaixo da média da União Europeia.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt
Política

A protecção da família em Portugal

Luiz Cabral de Moncada

A família, enquanto célula principal da sociedade e berço da moral, como bem se sabe na Calábria, está mais garantida do que nunca. Nunca será esquecida pelos partidos quando no poder político.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)