Rádio Observador

Cartoon

World Press Cartoon. 71 novos autores, 900 caricaturas, e “demasiado Donald Trump” na edição de 2019

O júri analisou "900 caricaturas e desenhos, oriundos de 68 países" e sublinha que há entrada de 71 novos artistas. Donald Trump é um dos mais visados. Vencedores serão conhecidos a 4 de maio.

Autores
  • Agência Lusa
Mais sobre

O World Press Cartoon, o maior certame do género realizado em Portugal, recebeu este ano 900 caricaturas e desenhos de 68 países e tem a concurso 71 novos autores, revelou hoje o júri do evento.

A “abertura da convocatória [para a entrega de trabalhos] mais cedo” e o facto de o certame ser, pelo segundo ano, “aberto à internet” justificaram, segundo o organizador e presidente do júri, António Antunes, o aumento dos desenhos a concurso na edição 2019 do World Press Cartoon (WPC).

O júri, reunido nas Caldas da Rainha, analisou entre esta segunda e terça-feira “900 caricaturas e desenhos, oriundos de 68 países”, entre os quais, sublinhou o cartoonista, “figuram 71 novos autores”.

O presidente do Estados Unidos, Donald Trump, manteve-se como a figura mais caricaturada nesta edição em que temas como “a Síria, os refugiados e o Brexit” voltaram a marcar presença” e que “reflete as questões que têm enchido as televisões e os jornais”, contando, entre as novidades, com trabalhos sobre “os coletes amarelos” que protagonizam os protestos em França.

A concurso estão desenhos nas categorias de Editorial, Caricatura e Desenho de Humor – publicados entre os dias 1 e 31 de dezembro de 2018 em jornais e revistas de periodicidade regular e venda ao público, ou em publicações ‘online’ profissionalizadas, de reconhecida natureza jornalística.

Os melhores desenhos e cartoons foram, nesta reunião de trabalho, selecionados pelo júri que integra, para além do organizador, António Antunes, ainda os cartoonistas Manuel Peres (Portugal), Maria Picassó (Espanha), Óscar Grilo (Argentina) e Cássio Loredano (Brasil). “Um trabalho hercúleo”, disse à agência Lusa Manuel Peres, destacando “o papel do júri” na escolha dos trabalhos que marcam o certame que define como “um acontecimento universal trazido a Portugal” pela organização do evento.

As caricaturas, cartoons e desenhos submetidos a concurso demonstram como “em distintas partes do mundo se veem os mesmos fenómenos, às vezes até um fenómeno local, mas que passa [na imprensa] em todos os lugares”, sublinhou Maria Picassó.

Para a catalã, a edição deste ano fica marcada por “demasiado Trump” caricaturado num mundo onde “é preciso não esquecer que há muitos mais malvados para trazer à luz”.

Os cartoons vencedores da edição 2019 vão ser conhecidos no dia 4 de maio, numa gala este ano antecipada “para tentar captar os alunos das escolas para a exposição” que ficará, após a entrega dos prémios, patente no Centro Cultural e de Congressos (CCC) das Caldas da Rainha.

O World Press Cartoon realiza-se nas Caldas da Rainha desde 2017, ano em que o certame foi relançado após uma paragem em 2016, por falta de apoios financeiros ao evento que entre 2005 e 2015 se realizou em Sintra.

De acordo com o website do World Press Cartoon, “todas as caricaturas publicadas no ‘Cartoon Movement’ são elegíveis ao concurso. Um dos vencedores do ano passado foi, de facto, um desenho publicado no ‘Cartoon Movement'”.

Veja a nossa fotogaleria para conhecer algumas caricaturas e desenhos do World Press Cartoon de 2019.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)