Renault

Renault ganhou menos 36,6% no ano passado por causa da Nissan e da crise dos motores a diesel

A Nissan contribuiu com 1.509 milhões de euros para os resultados, sobretudo devido ao colapso dos lucros do grupo japonês. O declínio dos motores a gasóleo na Europa foi outro fator influente.

O grupo Renault ganhou no ano passado 3.302 milhões de euros, menos 36,6% do que em 2017

IAN LANGSDON/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O grupo Renault ganhou no ano passado 3.302 milhões de euros, menos 36,6% do que em 2017, o que se explica, sobretudo, por uma quebra na contribuição da sua parceira Nissan, mas também pela crise dos motores diesel.

A Nissan, que em 2017 tinha contribuído com 2.791 milhões de euros para os resultados da Renault, passou um ano depois a contribuir com 1.509 milhões de euros, sobretudo devido ao colapso dos lucros do grupo japonês, do qual a Renault é o primeiro acionista, com 43% do capital.

Ao apresentar os seus resultados anuais num comunicado divulgado esta quinta-feira, a Renault explicou que, além da contribuição da Nissan, o seu resultado operacional foi reduzido em 819 milhões de euros, fixando-se em 2.987 milhões de euros.

Nesta quebra pesaram, com quase 300 milhões de euros, a provisão para o programa que foi lançado em França para facultar o fim de carreira a um grupo de empregados e, com mais de 200 milhões, as consequências da crise na Argentina. A faturação do grupo caiu 2,3% para 57.419 milhões de euros, apesar das boas notícias da sua subsidiária russa Avtovaz, que teve um aumento de 11,5% para 3.040 milhões.

A diminuição do volume de negócios é essencialmente explicada pelo efeito negativo da desvalorização em relação ao euro das moedas dos países onde tem atividade, mas também pelo declínio dos motores a gasóleo na Europa e pelo abandono dos seus negócios no Irão, devido às sanções impostas ao país pelos Estados Unidos.

Em contrapartida, a Renault conseguiu elevar o preço médio dos carros vendidos na Europa e nos mercados emergentes. A margem operacional caiu para 3.612 milhões de euros, em comparação com 3.854 milhões em 2017, o que representou uma margem de 6,3%, três décimas a menos.

A nova direção da Renault, após a renúncia no mês passado de Carlos Ghosn — preso no Japão desde o final de novembro, acusado de irregularidades à frente da Nissan –, indicou que, apesar da deterioração dos resultados, proporá a distribuição de um dividendo de 3,55 euros por ação, tal como no ano passado. E quanto às perspetivas para 2019, a nova direção do grupo disse estar confiante no aumento da faturação, numa margem operacional de cerca de 6% e num fluxo de caixa positivo na atividade automóvel.

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)