Rádio Observador

Conflito na Síria

Estado Islâmico resiste na batalha contra as forças curdo-árabes na Síria

Alguns jihadistas defendem obstinadamente o último reduto do "califado" face à ofensiva das forças árabes-curdas apoiadas pela coligação internacional. Civis impedidos de fugir.

SANA HANDOUT/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Alguns jihadistas defenderam este domingo obstinadamente o último reduto do “califado” do grupo Estado Islâmico (EI), no este da Síria, e impediram os civis de fugir, face à ofensiva das forças árabes-curdas apoiadas pela coligação internacional.

As forças democráticas sírias (FDS) tinham anunciado previamente a sua vitória sobre o EI “nos próximos dias”, mas os jihadistas, localizados numa pequena aldeia a menos de um quilómetro e meio de Bagouz, mostraram uma resistência feroz.

O presidente norte-americano Donald Trump prometeu também a defesa da organização ultrarradical.

Hoje, Donald Trump exortou os seus aliados europeus a repatriarem as centenas de jihadistas estrangeiros presos na Síria pelas FDS no seguimento dos seus combates.

Mas, na província de Deir Ezzor, fronteiriça do Iraque, a última batalha das forças árabes-curdas perderam, apesar do apoio da coligação emanada de Washington.

Os jihadistas espalharam um oceano de mines e criaram túneis para se esconderem. Eles lançam regularmente ataques camicases e impedem os civis de saírem, dizem as FDS.

Hoje, perto de Bagouz, uma zona de acolhimento para os que fazem parte do reduto jihadista, estava deserta, constatou uma equipa da AFP, e dezenas de tendas e de camionetas utilizadas para o transporte estão vazias.

“Faz dois dias que as pessoas saíram dali”, indicou à AFP um combatente das FDS.

“O EI bloqueou todas as ruas” do seu setor em Bagouz, explicou um porta-voz das FDS Mustefa Bali, precisando que 2.000 civis podem ainda estar naquele reduto.

Os jihadistas estão recolhidos “a algumas centenas de metros e retêm um certo número de civis que se recusam a libertar”, indicou no Twitter.

“Os civis que se conseguiram libertar contam que o EI os utiliza como blocos humanos”, confirmou hoje o porta-voz da coligação internacional, o coronel Sean Ryan.

Desde meados de dezembro, perto de 40.000 pessoas fugiram do setor, segundo o Observatório sírio dos direitos do homem (OSDH). Entre estes, havia principalmente famílias de jihadistas, e nomeadamente Franceses, Alemães, e sobretudo muitos iraquianos, constaram os jornalistas da AFP.

Depois de uma ofensiva fulgurante em 2014 e da conquista de vastas regiões na Síria e no Iraque, o EI proclamou um “califado” num território vaste como a Grã-Bretanha.

Os jihadistas estabeleceram a sua própria administração, executaram e torturaram os que não respeitavam as suas leis e fomentavam atentados mortíferos no estrangeiro.

Trump assegurou que o fim do “califado” do EI seria anunciado em breve. Hoje indicou no Twitter que o “califado” estava “prestes a cair”.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, apelou ainda aos países europeus, nomeadamente ao Reino Unido, a França e a Alemanha, para repatriarem e julgarem os seus combatentes do Estado Islâmico feitos prisioneiros na Síria.

Este apelo de Trump, formulado num ‘tweet’ enviado no sábado à noite, surge numa altura em que o Estado Islâmico está prestes a perder o último território do “califado” pressionado pela aliança árabe-curda e a coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos.

“Os Estados Unidos pedem ao Reino Unido, França, Alemanha e aos outros aliados europeus para levarem mais de 800 combatentes do EI que nós capturámos na Síria para os julgarem”, escreveu Trump.

“Não há alternativa porque seremos forçados a libertá-los. Os Estados Unidos não querem que estes combatentes do EI se espalhem na Europa, para onde se prevê que vão”, adiantou.

Trump desencadeou em dezembro a fúria dos aliados quando anunciou unilateralmente a saída a curto prazo dos 2.000 militares norte-americanos da Síria.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)