Rádio Observador

Enfermeiros

“Tranquila mas com muito frio”. Como foi a primeira noite do enfermeiro em greve de fome (que teve a companhia de outros colegas)

2.351

Carlos Ramalho continua no jardim, em Belém, enquanto espera pela ação de Marcelo Rebelo de Sousa. O Presidente da República disponibilizou a sua equipa médica ao enfermeiro, caso seja necessário.

Carlos Ramalho iniciou uma greve de fome esta quarta-feira ao meio-dia

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Não passou a noite sozinho. Carlos Ramalho, presidente do Sindicato Democrático dos Enfermeiros Portugueses (Sindepor), teve a companhia de outros colegas de profissão, naquela que foi a primeira de um número (para já, indefinido) de noites no jardim em frente à residência oficial do Presidente da República no Palácio de Belém, onde ali deu início a uma greve de fome na quarta-feira.

Os que não pernoitaram ao lado dele foram aparecendo e passando algum tempo para lhe fazer companhia — o suficiente para Carlos Ramalho perceber que tem o apoio dos enfermeiros. “Sem dúvida”, disse ao Observador esta manhã de quinta-feira.

Houve colegas que passaram a noite comigo e agora de manhã foram trabalhar. Os enfermeiros estão habituados a isto! Outros passaram aqui de madrugada, antes de irem para o trabalho”, contou em declarações ao Observador.

Descreve a noite como “tranquila mas com muito frio”. Quando esta quarta-feira, anunciou que ia começar uma greve de fome referiu que seria por tempo indeterminado. Apesar do frio, não pensa, para já, desistir. “Não posso!”, dispara Carlos Ramalho, acrescentando: “Os enfermeiros estão a contar comigo”. Minutos antes de chegar ao jardim, o presidente do Sindepor disse ao Observador que ia resistir até onde pudesse. “A minha capacidade mental está inteiramente ao dispor desta luta”, acrescentou ainda.

Carlos Ramalho confirmou ainda o que foi esta manhã publicado na página oficial da Presidência: que Marcelo Rebelo de Sousa tinha disponibilizado a sua equipa médica  “para acompanhar o Senhor Enfermeiro”, lê-se na nota publicada na página oficial da Presidência, caso fosse necessário. “Vieram oferecer-me os seus serviços”, explicou o presidente do Sindepor ao Observador.

Marcelo Rebelo de Sousa está em Madrid, em Espanha, na inauguração do centro de operações logísticas de uma empresa portuguesa mas garante que está a acompanhar a greve de fome de Carlos Ramalho, que espera que o Presidente da República seja sensível à luta dos enfermeiros. Isto apesar de o chefe de Estado já ter dito estar à espera da decisão do Supremo Tribunal Administrativo, ao qual o Sindepor apresentou uma intimação sobre a requisição civil dos enfermeiros, antes de tomar posição. A Casa Civil recebeu nesta quarta-feira a direção do Sindepor, mas Carlos Ramalho não esteve presente. Ao Observador, diz que, “com todo o devido respeito”, prefere expor as suas reivindicações diretamente a Marcelo Rebelo de Sousa.  “Se o Sr.Presidente tivesse estado na reunião, eu teria ido, claro”, garantiu.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbranco@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)