Rádio Observador

Genética

Descoberto caso de gémeos raros: nasceram de um único óvulo fecundado por dois espermatozoides. É o segundo no mundo

880

O nome é difícil de pronunciar: gémeos sesquizigóticos e resultam da fecundação de um mesmo óvulo por dois espermatozoides. É o primeiro caso encontrado ainda durante a gravidez, às 14 semanas.

A possibilidade de sobrevivência destes gémeos raros ao longo da gravidez é muito pequena

Getty Images/iStockphoto

Dois irmãos, um rapaz e uma rapariga, são o segundo caso alguma vez identificado de gémeos nascidos da fertilização de um único óvulo por dois espermatozoides. A ciência chama-lhes gémeos sesquizigóticos, são extremamente raros por o óvulo de onde nascerem terem tido inicialmente três pares de cromossomas em vez de dois,  e não costumam sobreviver ao longo da gravidez. O primeiro caso tinha sido encontrado em 2007 nos Estados Unidos. Estes gémeos nasceram em 2014 em Brisbane, Austrália, revela um comunicado de imprensa da Universidade de Queensland.

Aos olhos da comunidade científica, estes gémeos não são nem idênticos, nem falsos. Ficam no limbo e, por isso, são antes gémeos semi-idênticos. Dois irmãos são gémeos idênticos quando um óvulo é fertilizado por um único espermatozoide: as crianças partilham 100% da informação genética. E são gémeos falsos quando dois óvulos são fertilizados por um espermatozoide cada um: nesse caso, os irmãos partilham apenas 50% da informação genética.

Mas o caso dos gémeos semi-idênticos é muito particular. Depois da fertilização, os cromossomas dos espermatozoides e do óvulo misturam-se e dão origem a três conjuntos genéticos. Dois deles têm informação genética vinda da mãe e do pai, mas o terceiro é composto por cromossomas vindos dos dois espermatozoides e não têm qualquer material genético da mãe. Por norma, casos destes não vão avante e o organismo elimina o embrião. Neste caso, no entanto, isso não aconteceu: o conjunto que tinha apenas a informação genética do pai morreu. E os outros dois continuaram a desenvolver-se, dando origem a dois irmãos gémeos saudáveis, agora com quatro anos. Algumas das células que compõem o organismo dos gémeos contêm os cromossomas do primeiro espermatozóide, enquanto outras são compostas pelos cromossomas do segundo espermatozoide.

Embora este seja o segundo caso de gémeos sesquizigóticos conhecido pela comunidade científica, é o primeiro identificado ainda durante a gravidez. Os outros gémeos, um rapaz e uma rapariga encontrados em 2007, só foram detetados quando um dos irmãos foi examinado por ter genitália ambígua — com características físicas de ambos os sexos. Ao fazerem análises genéticas, os médicos descobriram que as duas crianças tinham a mesma informação genética vinda da mãe, mas só partilhavam cerca de metade do ADN herdado do pai.

Já no caso mais recente, a gravidez de sesquizigóticos foi encontrada logo no início. Nicholas Fisk, o médico que acompanhou o caso  no Royal Brisbane and Women’s Hospital (Austrália), explicou em comunicado de imprensa como é que isso aconteceu: “A ecografia da mãe às seis semanas mostrou uma placenta única e o posicionamento dos sacos amnióticos indicou que ela estava à espera de gémeos idênticos. No entanto, um novo exame às 14 semanas mostrou que eram do sexo masculino e feminino, o que não é possível para gémeos idênticos”.

A possibilidade de sobrevivência de gémeos nestas condições é extremamente rara porque “três conjuntos de cromossomas são tipicamente incompatíveis com a vida”, acrescentou o médico Michael Gabbett, que também acompanhou esta gravidez. “No caso dos gémeos sesquizigóticos de Brisbane, o óvulo fertilizado dividiu-se em três partes iguais com três pares de cromossomas, mas evoluiu para grupos de células que se dividiram em dois, dando origem aos gémeos”.

Após a descoberta deste segundo caso, Nicholas Fisk e Michael Gabbett decidiram consultar as bases de dados médicas de todo o mundo para saber se havia mais casos de gémeos sesquizigóticos além dos reportados. Mas não encontraram mais nenhum além deste e do caso de 2007. “Sabemos que este é um caso excecional de gémeos semi-idênticos. E a raridade significa que não há necessidade de fazer testes genéticos de rotina”, concluíram.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Ambiente

Como assim é bom termos baixa natalidade? /premium

Maria João Marques

O projeto The Great Decrease tem colocado cartazes celebrando baixas taxas de natalidade, também em Portugal. Baixa natalidade é sintoma e causa de uma sociedade decadente. Não há nada a celebrar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)