A Web Summit, um dos maiores eventos de empreendedorismo tecnológico do mundo, vai passar a acolher a MoneyConf, uma conferência de fintech (indústria de serviços tecnológicos para o setor financeiro). A notícia foi confirmada pelo organizador do evento, Paddy Cosgrave, ao jornal irlandês Independent. “Sentimos que uma conferência com tanto potencial como a MoneyConf merece uma posição mais proeminente no palco global”, disse Cosgrave. O evento ia ter a terceira edição em junho, em Dublin, onde nasceu a Web Summit.

Paddy Cosgrave tinha afirmado que “num futuro próximo” a MoneyConf ia continuar em Dublin. Contudo, de acordo com o mesmo jornal, o fundador da Web Summit critica o país de origem, a Irlanda, por não ter um espaço de evento para acolher dezenas de milhar de pessoas. “A Irlanda tem uma oportunidade de tornar-se um espaço para ter eventos maiores. Não é preciso muito para construir um local que possa acolher 40 ou 50 mil pessoas nesta cidade [Dublin]”, disse Cosgrave.

Durante as mesmas declarações, Paddy Cosgrave assumiu que planeia manter a sede da Web Summit na capital irlandesa, onde há cerca de 200 pessoas a trabalhar nos eventos que organiza.

Atualmente, a Web Summit tem recebido na FIL, em Lisboa, cerca de 60 mil pessoas. Com o acordo celebrado com o governo português em 2018, que vai implicar um custo ao Estado de 11 milhões de euros anuais, Paddy Cosgrave garantiu que o evento fica na capital portuguesa por mais 10 anos e que a FIL vai duplicar a capacidade. A primeira fase da expansão da FIL deve estar concluída já a tempo da próxima edição da Web Summit, que decorrá entre 4 e 7 de novembro de 2019.

A MoneyConf tinha esperado receber mais de cinco mil visitantes na última edição, em 2018. Entre os principais participantes, estão empresas de fintechs de focadas em fraudes financeiras e em pagamento de moedas virtuais, como a Bitcoin ou a Ethereum. Além deste evento, a Web Summit tem duas outras conferências irmãs, a Collision, que se realiza no Canadá, e a Rise, em Hong Kong.