Futebol

Ronaldo não jogou e a primeira derrota da Juve na Serie A foi escrita por um ex-Sporting (que nunca jogou em Alvalade)

193

Ronaldo não foi convocado pela primeira vez na Liga, Juve voltou a perder quase um ano depois (2-0). E com um golo de Sturaro, que voltou aos relvados e marcou no primeiro toque na bola pelo Génova.

Stefano Sturaro entrou, fez a estreia pelo Génova e marcou na primeira vez que tocou na bola frente à anterior equipa

AFP/Getty Images

O impacto da chegada de Cristiano Ronaldo à Serie A foi evidente desde o primeiro dia. Para a Liga italiana, para a Juventus. Um golo do português é muito mais do que “apenas” um golo do português. As receitas de merchandising aumentam (só no primeiro semestre subiram 71% em relação ao período homólogo), as audiências disparam, as ações dos bianconeri sofrem quase de forma instintiva. Se é assim com um golo, imagine-se com dois. E com três. Na Liga dos Campeões. Frente ao Atl. Madrid. Decisivos. Em direto para todo o mundo. Aos 34 anos, o avançado é uma preciosidade e continua a ser tratado como tal.

No rescaldo da fantástica reviravolta da Vecchia Signora na receção ao Atl. Madrid da última terça-feira, e tendo como contexto os 18 pontos de avanço sobre o Nápoles, a imprensa italiana contou que o técnico Massimiliano Allegri esteve reunido com CR7 e terão escolhido já todos os encontros que, em condições normais, o português fará até aos quartos da Liga dos Campeões, frente ao Ajax. “Ele necessita de descansar, jogou muito e ainda foi chamado à Seleção. Decidimos quais os jogos que vai disputar antes dos quartos de final da Champions mas obviamente que não vou ainda dizer quais são”, assumiu o treinador. Para os adeptos da Juventus, não faz grande diferença; para os adeptos do futebol, faz a sua diferença; para os adeptos que tinham já bilhete para a receção do Génova ao campeão italiano, na 28.ª jornada, fez mesmo muita diferença.

De acordo com o Corriere della Sera, vários portadores de ingressos para esta partida foram pedir a devolução do dinheiro às instalações do clube, alegando que tinham comprado bilhete porque queriam ver ao vivo Cristiano Ronaldo. Mais curioso ainda, grande parte dos queixosos eram adeptos da casa. Já antes, os bilhetes do Parma-Juventus chegaram a atingir os 450 euros a uma semana do encontro e o Frosinone-Juventus tinha entradas no próprio dia a quase 800 euros. Tudo porque o português estaria em ação; caso contrário, seria apenas mais um jogo, mais um bilhete e mais um preço igual a todos os outros.

Dentro de toda esta Ronaldomania que foi potenciada com o hat-trick apontado frente ao Atl. Madrid, existe um outro ponto curioso que diz muito sobre os objetivos do jogador português para a presente temporada. Também por causa da longa série de encontros consecutivos a marcar fora, CR7 colocou-se na frente da corrida pelo melhor marcador da competição (algo que lhe valerá mais uma “simpática” quantia, como ficou acordado no contrato) mas a fantástica temporada do veterano Quagliarella – que depois de uma série com 14 golos em 11 jogos consecutivos esteve três partidas sem marcar e voltou agora cinco golos em quatro partidas – colocou esse objetivo em risco, com 21 golos para o capitão da Sampdória e 19 para Ronaldo e Piatek, antigo dianteiro do Génova que se mudou para o AC Milan em janeiro. O madeirense parece conviver bem com isso, tendo como meta bem definida a Liga dos Campeões (até porque a Serie A é uma questão de tempo até ficar garantida), mas nem por isso enjeitará a possibilidade de, quando estiver em campo, somar mais um recorde individual à longa lista já alcançada.

No meio de  tudo isto, o Génova-Juventus acabou por ser um jogo mais incaracterístico e onde Allegri voltou a experimentar um esquema de três centrais com Cáceres, Bonucci e Rugani, ficando João Cancelo e Alex Sandro a fazer todo o corredor (sendo que, com os mesmos jogadores, o técnico poderia passar para uma defesa a quatro com Cáceres na direita e subir o português na ala). Além de Ronaldo, Szczesny, Chiellini, Spinazzola e Bernardeschi também ficaram de fora em relação aos titulares com o Atl. Madrid, abrindo vaga para outras estrelas como Betancur ou Dybala, o capitão. Ainda assim, e na primeira parte, houve muito poucas oportunidades e sempre para os visitados, com destaque para uma defesa de Perin a Sarabia (15′). O lateral português Pedro Pereira (ex-Benfica), titular e a cumprir 90 minutos, voltou a fazer um bom jogo.

A primeira parte tinha sido fraca e esperava-se mais do campeão italiano, até por dois motivos paralelos: o Génova tinha sido a primeira de três equipas a tirar pontos à Juventus no Campeonato (nona jornada, seguindo-se Atalanta e Parma) e havia esse objetivo de manter a série sem derrotas na Serie A. A Juventus melhorou, com uma alteração que agitou o jogo ofensivo da equipa e que passou pela colocação de João Cancelo na ala esquerda à frente de Alex Sandro. E só não passou para a frente do marcador aos 55′ porque um golo de Dybala após assistência do português acabou por ser anulado pelo VAR. Depois, saiu Cancelo e entrou Bernardeschi mas o risco que Allegri queria assumir acabou por não ter resultados práticos. E seria o Génova a crescer em campo, a voltar a chegar à área contrária e a inaugurar o marcador por uma cara… que podia ser conhecida.

Stefano Sturaro, internacional italiano de 26 anos que foi contratado pelo Sporting à Juventus por empréstimo no verão, nunca chegou a fazer qualquer jogo em Alvalade porque mal assinou foi operado ao tornozelo e, mais tarde, voltou a ser alvo de nova intervenção cirúrgica. Tudo em Turim, longe de Portugal. Na reabertura de mercado, os leões chegaram a acordo para terminar o vínculo com o médio, que viria a assinar pelo Génova pouco depois (cedência com opção de compra obrigatória). Este domingo, depois dos primeiros testes na equipa reserva, Sturaro entrou em campo e, na primeira vez que tocou na bola, rematou para o 1-0, num lance onde Perin podia ter feito mais. E a confirmação da primeira derrota da Juventus na Serie A (no primeiro jogo em que Ronaldo não foi convocado) chegou a oito minutos do final, já com Miguel Veloso (outro antigo jogador do conjunto verde e branco) em campo para dar outra capacidade de gestão no meio-campo, quando Pandev apontou o 2-0. Os bianconeri, que não sofriam uma derrota na Serie A desde abril de 2018, voltaram a cair também pela falta do seu goleador.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt
Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)