Rádio Observador

Celebridades

A mudança de visual revolucionária de Conchita Wurst: loira e de cabelo curto

138

Da barba e cabelos escuros e compridos, Conchita Wurst passou a ser loira e a usar cabelo curto para o novo videoclip. Não é a primeira mudança visual da artista. Mas pode ser a morte da personagem.

O novo visual de Conchita Wurst foi mostrado nas redes sociais

Conchita Wurst/ Instagram

Quando venceu o Festival Eurovisão da Canção em 2014, a austríaca Conchita Wurst — uma drag queen criada por Thomas Neuwirth — cantou “Rise Like A Phoenix” de cabelo comprido e barba escura. Passados cinco anos, a cantora fez uma revolução no visual. E, no Instagram, apresenta-se agora com barba loira e cabelo muito curto. Thomas Neuwirth, na pele de Conchita, está irreconhecível, tanto que há quem pergunte se “morreu a personagem que ganhou a Eurovisão”. Mas a mudança teve um propósito: foi com esse novo aspeto que Conchita Wurst gravou o videoclip da canção “Hit Me”.

Ainda se encontram no Instagram de Conchita Wurst os tempos dos cabelos e barba negros e frondosos. Mas a 23 de fevereiro, no entanto, a artista publicou o primeiro passo da enorme mudança de visual: de vestido vermelho tachado com pedras brilhantes e sapatos altos, a personagem publicava pela primeira vez uma fotografia ainda de barba escura, mas completamente careca. Depois disso, as redes sociais foram inundados por imagens saídas do seu novo projeto musical. Mas a grande surpresa ainda estava para vir.

Só no final da semana passada é que Thomas Neuwirth desvendou até onde tinha ido com a mudança de visual para Conchita. A barba está loira e, embora não esteja careca como nas fotografias publicadas anteriormente, também os cabelos tinham sido pintados de uma cor muito próxima do branco. A descrição da fotografia dizia apenas: “Hit Me”, que em português significa “Bate-me”, o nome da nova música de Conchita Wurst lançada na última sexta-feira.

View this post on Instagram

HIT ME @ midnight

A post shared by Conchita WURST (@conchitawurst) on

Esta mudança de visual pode ser a morte que Thomas Neuwirth, o artista por detrás de Conchita Wurst, já tinha antecipado para a personagem drag queen que conquistou a Eurovisão. Em fevereiro de 2017, recorda o El Español, Thomas já dizia: “Devo matá-la. Tenho a sensação de que quero criar uma nova personagem”. Quando? “Talvez daqui a 20 anos, talvez no próximo ano. Não tenho ideia. Mas em nenhum momento me senti desconfortável sendo vista como uma mulher”, dizia Thomas Neuwirth, numa altura em que explicou que Conchita Wurst não é aquilo que o artista é em casa, longe dos palcos e da vida profissional. Na vida pessoal é um indivíduo do sexo masculino que se identifica como homem. Conchita é apenas um boneco.

Esta não é a primeira vez que a personagem Conchita Wurst sofre uma mudança radical de visual. Em junho do ano passado, a artista partilhou várias fotografias no Instagram onde aparece com o cabelo e a barba pintados de loiro.”Ó meu Deus. Como é que consegues ser uma princesa ainda mais bonita com cabelo curto? Adoro”, escreveu um utilizador. Há também quem lhe chame “Conchita — Rainha da Liberdade” e quem diga que loiro é a sua cor. Outros dizem que está diferente: “Oh! É difícil reconhecer-te”, escreveu uma utilizadora.

Essa mudança chegou pouco depois de a cantora ter revelado ser seropositiva, após ter sido chantageada por um ex-namorado, que ameaçou tornar pública a sua doença. Na altura, a cantora garantiu aos fãs que o diagnóstico não é novo e que estava “mais forte, motivada e livre do que nunca”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)