Rádio Observador

Estado Islâmico

EUA declaram que “califado” do grupo jihadista Estado Islâmico foi eliminado

105

A porta-voz da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders, disse aos jornalistas que acompanham o Presidente dos EUA, Donald Trump, numa viagem à Florida, que o EI tinha sido derrotado "a 100%".

MICHAEL REYNOLDS/EPA

Os Estados Unidos afirmaram esta sexta-feira que o “califado” do grupo extremista Estado Islâmico (EI) foi eliminado “a 100%”, após combates em Bagouz, o último reduto jihadista na Síria, segundo uma fonte da Casa Branca.

A porta-voz da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders, disse aos jornalistas que acompanham o Presidente dos EUA, Donald Trump, numa viagem à Florida, que o EI tinha sido derrotado “a 100%”.

Combatentes curdos e árabes das Forças Democráticas Sírias (FDS), apoiadas pela coligação internacional liderada pelos EUA, estavam há várias semanas a combater os jihadistas no que consideravam ser o seu último reduto: a cidade de Bagouz, no interior da Síria. Em dezembro, Donald Trump anunciou que os EUA iriam retirar as tropas da Síria, em 2019, por o EI estar “praticamente derrotado”.

Trump diz que EI foi eliminado “a 100%”, mas coligação diz que mantém combates

O Presidente dos EUA anunciou que o “califado” do grupo extremista Estado Islâmico (EI) foi eliminado “a 100%”, mas a coligação internacional na Síria diz que ainda combate os últimos resistentes.

Perante os jornalistas que o acompanham numa viagem de Washington para a Flórida, Donald Trump pegou num mapa comparativo da presença dos jihadistas do EI, entre o dia em que tomou posse, em janeiro de 2016, e a data desta sexta-feira para provar que o “califado” de forte presença na Síria há três anos estava agora totalmente eliminado.

Contudo, as Forças Democráticas da Síria, uma coligação internacional liderada pelos EUA, dizem que ainda estão em confrontos com o último reduto dos jihadistas, na aldeia de Baghouz, no que consideram ser o prelúdio da sua derrota final. “Fiquem com o mapa”, disse Trump aos jornalistas, enquanto lhes entregava as cartas comparativas da evolução militar contra o EI e anunciava que o “califado” do EI tinha sido eliminado “a 100%”.

Minutos depois de Trump ter feito o anúncio da derrota total, Adnane Afrine, porta-voz das Forças Democráticas da Síria, disse que ainda há “pequenos grupos do EI que se recusam a render, lançando ataques” no último reduto do “califado”. A coligação internacional anunciara terça-feira que tinha entrado em Baghouz, o último reduto do EI, e confirma hoje que estão em confrontos com os últimos jihadistas resistentes, nessa aldeia síria da província de Deir Ezzor.

“Estamos em operações de busca de potenciais jihadistas escondidos no campo”, disse hoje à agência France Presse Mustafa Bali, um porta-voz da coligação.

Um outro porta-voz das Forças Democráticas da Síria, Jiaker Amed, disse que vários esconderijos foram descobertos e que se os resistentes não se renderem, terão de fazer uma nova operação militar contra eles, mas reforçando a ideia de que este reduto está já controlado pela coligação internacional.

Em dezembro, Donald Trump anunciou que iria mandar retirar os cerca de dois mil militares norte-americanos no terreno, mantendo apenas um contingente de cerca de 200 soldados, para garantir ações de formação e treino militar.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)