O consultor, ex-diretor dos Transportes de Londres e antigo presidente do conselho consultivo da Bloomberg New Energy Finance disse esta sexta-feira que Macau tem condições para ser um líder ecológico e influenciar a China e o resto do mundo.

“A questão para Macau é esta: por que não liderar, por que não ser o primeiro, mas também produzir conhecimento e capacidade para criar negócios e influenciar a China continental e o resto do mundo?”, até porque “não falta capital”, salientou Michael Liebreich no segundo dia do Fórum e Exposição Internacional de Cooperação Ambiental de Macau (MIECF, na sigla inglesa).

A falta de espaço em Macau não é um problema para a criação de infraestruturas associadas ao desenvolvimento sustentável, como o carregamento de viaturas elétricas, mas o verdadeiro obstáculo pode estar em gerar energia renovável, admitiu o consultor em áreas que vão desde a energia limpa e transporte, infraestrutura inteligente, tecnologia, até ao financiamento climático e desenvolvimento sustentável.

Por isso, sugeriu, “seria importante trabalhar com a China continental e importar eletricidade ‘limpa'”. Em 2030, Macau só deveria comprar eletricidade gerada a partir de emissões zero de carbono, exemplificou.

“Macau é um caso de estudo interessante. Não vejo porque razão todo o transporte terrestre não é todo elétrico (…) e até os ferries serão todos elétricos. É uma questão de tempo (…) até todos os transportes de curta distância (…) serem todos elétricos”, defendeu, sublinhando a pequena dimensão do território, que tem cerca de 30 quilómetros quadrados.

“É um desafio e oportunidade tornar Macau uma ‘joia verde’ da Grande Baía [um projeto regional de criação de uma metrópole mundial] e torná-la exemplar”, sustentou, salientando o potencial do “impacto da marca” e, consequentemente, de influenciar através da liderança.

Para Michael Liebreich, o desafio passa por começar a “reduzir a pegada ecológica, com hotéis, transportes, aviação” para, dessa forma, “ganhar competitividade” regional.

O MIECF acolhe mais de 500 expositores, provenientes de cerca de 20 países e regiões.

As sessões integram oradores de cerca de 70 pioneiros ambientais, líderes de empresas multinacionais e criadores de políticas, provenientes de sete países e regiões, nomeadamente, da China interior, Holanda, Portugal, Timor-Leste, Reino Unido, Hong Kong e Macau.

O MIECF 2019 ocupa uma área total de exposição de mais de 16.900 metros quadrados.