A Força Aérea Portuguesa (FAP) confirmou esta terça-feira que entrou no espaço aéreo da Finlândia. Em comunicado divulgado durante a tarde, a FAP adianta que o avião — que se trata de um P-3C  — está destacado na Polónia no âmbito de uma missão da NATO.

Na mesma nota, a Força Aérea lamenta o sucedido e garante que “não se tratou de uma ação premeditada”.

A missão decorria no Mar Báltico, entre a Estónia e a Finlândia, quando a tripulação do P-3C CUP+ efetuou uma correção de rumo e não conseguiu evitar que o raio de volta ultrapassasse em cerca de 0,3 milhas náuticas (500 metros) o limite do espaço aéreo daquele país. A Força Aérea lamenta o sucedido e esclarece que não se tratou de uma ação premeditada, tendo esta sido consequência de uma manobra em voo.”

A FAP apresentou assim as explicações para o incidente, que tinha levado as autoridades finlandesas a queixarem-se de que o seu espaço aéreo tinha sido violado por um aparelho português.

O ministro da Defesa Nacional disse esta terça-feira que a Força Aérea portuguesa e as autoridades finlandesas estavam a investigar em conjunto a violação do espaço aéreo daquele país nórdico por um avião de vigilância português.

“Nós temos F-16 e um P3 que estão colocados na Polónia e que estão integrados em missões da NATO, de policiamento do Mar Báltico. Pela localização geográfica, imagino que poderá ter alguma coisa a ver com um desses, mas não tenho mais informação sobre a matéria”, declarava então o governante.

João Gomes Cravinho falava aos jornalistas à margem da conferência “O Papel das Forças Armadas no Portugal do Século XXI”, integrada nas Jornadas Descentralizadas de Segurança e Defesa Nacional, que decorrem até quinta-feira na Universidade do Algarve (UAlg).

O Ministério da Defesa da Finlândia anunciou também esta terça-feira que um avião de vigilância português violou o seu espaço aéreo e contactou as autoridades portuguesas, que estão a analisar a informação.

Uma porta-voz da Defesa finlandesa, Niina Hyrsky, disse à imprensa que o incidente ocorreu na segunda-feira, às 6h00, a sudoeste da capital, Helsínquia. Hyrsky escusou-se a dar mais pormenores, afirmando que a situação está a ser investigada pela guarda costeira finlandesa.

A Finlândia não é membro da NATO.

(Artigo atualizado às 19h33 com comunicado divulgado pela Força Aérea Portuguesa)