A Secretária de Segurança Interna dos Estados Unidos, Kristjen Nielsen, vai deixar o cargo. O anúncio foi feito na noite deste domingo por Donald Trump na sua conta oficial de Twitter. Nielsen já foi alvo de críticas por parte do Presidente norte-americano, que a responsabilizou pelo aumento da imigração ilegal na fronteira entre o México e os Estados Unidos.

Num segundo tweet, Trump anunciou que Nielsen será substituída por Kevin McAleenan, que desempenhava até este momento o cargo de comissário de Alfândega e Proteção das Fronteiras dos Estados Unidos. Um sinal de que o Chefe de Estado norte-americano quer que o foco da Secretaria da Segurança Interna recaia sobre o controlo das fronteiras.

Kristjen Nielsen entrou para a Adminstração de Trump em 2017 pela mão de John F. Kelly, ex-chefe de gabinete da Casa Branca. À época, Kelly contava com uma elevada dose de influência junto de Donald Trump. Entretanto, a relação entre ambos começou a esfriar e o chefe de gabinete acabou mesmo por deixar o cargo em janeiro deste ano.

Sem o seu mentor na Casa Branca, e com o aumento da imigração ilegal, o lugar de Nielsen foi ficando cada vez mais periclitante. O Presidente dos Estados Unidos não disfarçou o seu desconforto para com a política seguida pela Secretária de Segurança Interna, que não conseguiu conter esse crescimento, tendo-a criticado publicamente.

Ainda não é claro se a saída de Kristjen Nielsen saiu do cargo por vontade própria, através de um pedido de demissão, ou se terá sido Donald Trump a apontar-lhe a porta da saída. De acordo com fontes conhecedoras do processo, citadas pelo Washington Post, os dois estiveram reunidos este domingo na Casa Branca. A saída de Nielsen terá ficado fechada neste encontro, que não fazia parte da agenda oficial do Presidente dos Estados Unidos.

Uma outra fonte, próxima de Nielsen e citada pelo mesmo jornal, indica que a Secretária de Segurança Interna terá mesmo sido despedida. “Nielsen não entrou na Casa Branca com a ideia de apresentar a demissão“, garante. Uma versão que é contrariada pela Associated Press, que avança foi Kirstjen Nielsen que pediu a demissão na sequência de uma viagem com o presidente dos Estados Unidos à fronteira sul do país e da constatação da presença massiva de estrangeiros que tentam entrar no país.

Esta é a segunda baixa em apenas três dias na equipa que lida diretamente com o dossier da imigração  na Administração Trump. Na sexta-feira, o Chefe de Estado norte-americano deixou cair Ronald Vitiello, que liderava o Departamento de Imigração e Alfândega dos Estados Unidos e que iria viajar com o Presidente nesse mesmo dia para a fronteira com o México, onde iria até discursar.

Questionado sobre os motivos que o levaram a afastar Vitiello, que estava no cargo desde junho do ano passado e que tinha sido uma escolha pessoal do Presidente, Trump respondeu… à Trump. “Nós queremos ir numa direção ligeiramente diferente. O Ron é um bom homem. Mas nós queremos adotar uma postura mais dura“, disse. Dois dias depois, caiu a sua superior hierárquica.