Rádio Observador

Governo

Ferreira Leite insiste que Cavaco nunca teve familiares no mesmo Governo

1.033

Manuela Ferreira Leite insiste que Cavaco Silva "nunca nomeou pessoas da mesma família". Antiga ministra refere-se à presença de dois familiares no mesmo Conselho de Ministros.

Manuela Ferreira Leite foi ministra de Cavaco Silva

Natacha Cardoso / Global Imagens

A ex-ministra de Cavaco Silva Manuela Ferreira Leite reiterou esta terça-feira — no programa Pares da República, da TSF — que o antigo primeiro-ministro social-democrata “nunca nomeou para o Governo pessoas da mesma família“. Sobre o caso dos irmãos Beleza (Miguel e Leonor), Ferreira Leite disse que “qualquer um deles era ministeriável” e que “um só entrou quando outro saiu“. Efetivamente Miguel Beleza tomou posse como ministro das Finanças no dia em que a irmã, Leonor Beleza, abandonou o cargo de ministra da Saúde. Portanto, nunca coabitaram no Conselho de Ministros.

Ferreira Leite fecha, claramente, a sua observação no Conselho de Ministros. Há o caso de Diamantino Durão e Durão Barroso, que coabitaram no Governo, mas não à mesa do Conselho de Ministros. Quando Diamantino foi ministro, Barroso era apenas secretário de Estado. E quando Barroso sobe a ministro dos Negócios Estrangeiros, já o tio Diamantino Durão tinha abandonado o cargo de ministro da Educação há nove meses.

A ex-ministra de Cavaco Silva diz então que “não há comparação possível” entre os governos de Cavaco Silva e o governo de António Costa. Ferreira Leite defende que a solução não passa por alterações à lei. “Aquilo que se exige não é tanto uma legislação mas um escrutínio da capacidade, do currículo, das aptidões das pessoas que são escolhidas”, afirmou a antiga governante.

Manuela Ferreira Leite fez depois uma analogia para explicar o que defende: “Suponha que eu sou a secretária de Estado de um setor, onde tenho uma empresa de mel, tenho de ter ao pé de mim uma pessoa que perceba de colmeias, se a pessoa mais preparada do país, por acaso, for o meu primo vai ter que ser“. A antiga líder do PSD defende assim “um sistema em que todos possam ir jogo”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
António Costa

Prioridades à la carte /premium

Alexandre Homem Cristo
486

Capaz de prometer tudo e o seu contrário, este PS de 2019, embriagado pela hipótese de uma maioria absoluta, não é diferente daquele PS de 2009, cuja soberba atirou um país para o abismo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)