Rádio Observador

Suíça

Governo realça contributo português no maior laboratório de física de partículas mundial

572

170 investigadores portugueses estão a trabalhar no Laboratório Europeu de Física de Partículas, na Suíça. Investigação visa particularmente o combate a doenças cancerígenas.

O secretário de Estado das Comunidades Portuguesas termina a sua visita à Suíça no domingo

RODRIGO ANTUNES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O secretário de Estado das Comunidades Portuguesas destacou esta sexta-feira a importância do contributo dos cerca de 170 investigadores portugueses no Laboratório Europeu de Física de Partículas (CERN), em Meyrin, na região de Genebra, na Suíça.

José Luís Carneiro visitou esta sexta-feira o CERN, onde teve “um diálogo muito pedagógico e construtivo com as autoridades” do maior laboratório de física de partículas do mundo, que “puderam explicitar os termos em que os portugueses têm contribuído para a investigação”.

“Investigadores nas várias áreas, desde a Engenharia Informática à Mecânica, desde a Engenharia Civil à área da Física, os portugueses participam no trabalho que o CERN está a desenvolver também na transferência de conhecimento para a sociedade, para as empresas e a indústria e, muito particularmente, para a área da saúde, no combate às doenças cancerígenas”, declarou.

José Luís Carneiro assinalou também o contributo de portugueses para “o modelo de organização e gestão de todo o centro”, com cidadãos nacionais “associados à organização e à logística de todo o CERN, com milhares de investigadores de todo o mundo”.

O secretário de Estado das Comunidades Portuguesas teve uma reunião com os investigadores portugueses que estão a constituir a futura Associação de Graduados Portugueses na Suíça.

O investigador Paulo Gomes afirmou que os investigadores têm vários objetivos na constituição da associação, nomeadamente “pôr em contacto os graduados portugueses do ensino superior que estão a trabalhar na Suíça, para que se possa partilhar experiências, e também colocar os investigadores em contacto com as autoridades portuguesas, seja Governo, seja empresas, seja outros organismos de outros ramos”.

Em breve, a Associação de Graduados Portugueses na Suíça, cujos estatutos estão a ser elaborados, será formalmente constituída, definindo-se os órgãos de gestão.

Na companhia do diretor-geral do Ensino Superior, João Queiroz, e de representantes de universidades e institutos politécnicos portugueses, o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas teve “sucessivos diálogos com a comunidade portuguesa” na Suíça.

“Um desses teve a ver com a apresentação do programa Estudar e Investigar em Portugal, que, numa sessão totalmente cheia com pais e jovens estudantes, explicitou-se os termos em que podem estudar e investigar em Portugal e, sobretudo, explicitou-se a quota que há no ensino superior português para filhos de emigrantes”, disse.

Segundo o governante, também foram explicados “os termos em que podem ver ser reconhecidas as competências do ensino secundário” dos filhos de emigrantes para “efeitos de concurso e de integração no sistema de ensino universitário e politécnico no nosso país”.

Algumas medidas desenvolvidas, como a validade do cartão de cidadão de 5 para 10 anos, o novo modelo de passaporte com maior número de páginas para evitar as deslocações aos serviços consulados e as leis eleitorais foram outras matérias abordadas nos contactos do Governo com emigrantes.

Até domingo, a visita do secretário de Estado das Comunidades Portuguesas à Suíça inclui passagens por Genebra, Sierre e Zurique.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)