Rádio Observador

Desaparecimentos

Rosiney desapareceu há cinco meses. “Muitas pessoas” foram ouvidas, mas “está tudo em aberto”

A brasileira de 31 anos desapareceu há cinco meses, em Condeixa-a-Nova, uma vila no distrito de Coimbra. Até ao momento, ninguém foi constituído arguido e não há suspeitos de envolvimento no caso.

A brasileira de 31 anos desapareceu há cinco meses, em Condeixa-a-Nova, uma vila no distrito de Coimbra

Já “muitas pessoas foram ouvidas”, mas o caso do desaparecimento de Rosiney Oliveira ainda permanece um mistério. A brasileira de 31 anos desapareceu há cinco meses, em Condeixa-a-Nova, uma vila no distrito de Coimbra. Fonte da Diretoria do Centro da Polícia Judiciária (PJ), que está a investigar o desaparecimento, diz, porém, ao Observador que ainda “está tudo em aberto”.

A demora na chegada de respostas está a suscitar alguma revolta na comunidade brasileira a residir em Portugal, que se tem organizado em grupos do Facebook, para realizar manifestações contra as autoridades portuguesas — que acusam de nada estarem a fazer para encontrar Rosiney. Os investigadores negam e garantem ao Observador que “a investigação está a decorrer” e estão a ser desenvolvidas “todas as diligências possíveis”.

Há um inquérito no DIAP (Departamento de Investigação e Ação Penal) de Coimbra. Não é uma situação que esteja a ser tratada como uma desaparecimento voluntário“, garantiu fonte da PJ ao Observador.

Até ao momento, ninguém foi constituído arguido e não há suspeitos de envolvimento no desaparecimento. “Há muitas pessoas que foram ouvidas formal e informalmente: algumas prestaram declarações no âmbito do processo e outras foram contactadas no âmbito da investigação policial”, disse a mesma fonte, não revelando quem são essas pessoas.

Rosiney Oliveira veio para Portugal em outubro do ano passado. “Ela queria mudar de vida como qualquer jovem. O sonho dela era ir para Portugal e dar-se bem como tantos jovens que vemos a dar-se bem”, disse, na altura, Daiane Pires, sobrinha de Rosiney, ao Observador. Já em território português, a brasileira de 31 anos arranjou, rapidamente, trabalho na cidade da Moita, no distrito de Setúbal, onde ficou a viver de forma temporária. Segundo a sobrinha, Rosiney “estava a tomar conta de uma senhora” quando tomou conhecimento, através de uma proposta no Olx, de uma vaga para empregada de mesa no restaurante Restinova, em Condeixa-a-Nova, uma vila no distrito de Coimbra.

Começou a trabalhar nesse restaurante no dia 16 de outubro e ficou a viver na casa dos antigos proprietários do restaurante. Nessa altura, Rosiney falava frequentemente com a família: “Conversava com ela toda a semana. Ia perguntando se estava tudo bem. Ela sempre dizia que estava muito feliz que tinha encontrado um trabalho“, contou a sobrinha. Até ao dia 14 de novembro: esse dia foi a última vez que a jovem estabeleceu contacto com a família.

Em março, quando fez quatro meses do desaparecimento, várias pessoas manifestaram-se em Coimbra (Foto: Facebook)

No dia anterior, 13 de novembro, Rosiney Oliveira tinha sido despedida porque tinha “problemas muito graves com álcool”. “Foi avisada várias vezes, mas continuou”, explicou José Correia, o proprietário do restaurante, ao Observador. Neste ponto, a família discorda e acusa até o proprietário de “denegrir a imagem” de Rosiney.

No dia seguinte, Rosiney terá saído “de livre e espontânea vontade” depois de ter recebido uma chamada telefónica e, segundo o proprietário do restaurante, deixando para trás uma mala grande e outra mais pequena e levando consigo apenas uma mala média e toda a documentação. “Disse apenas que estava a espera de um amigo de Coimbra para uma boleia”, explicou ao Observador José Correia, garantindo que não sabe com quem saiu nem a que horas saiu.

Cinco meses passaram e não há sinais de Rosiney. A investigação ao desaparecimento continua a decorrer, mas “não está a ser fácil” encontrar sinais da jovem brasileira, diz a mesma fonte da PJ ao Observador.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbranco@observador.pt
Racismo

A Instrumentalização Política do Preconceito (2)

Vicente Ferreira da Silva e Miguel Granja
132

A ideia de que certos indivíduos membros da espécie humana pelo facto de partilharem alguns atributos arbitrários se esgotam em predicados grupais é objectivamente racista e sexista.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)