Rádio Observador

Combustível

As 5 reivindicações que os motoristas vão negociar com a ANTRAM este ano

Em 72 horas de greve, os motoristas que transportam matérias perigosas apresentaram-se ao país e mostraram qual o seu papel. Agora, até final do ano, esperam um reconhecimento. O que vão negociar?

O ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, considera que as negociações vão decorrer com normalidade

MÁRIO CRUZ/LUSA

Foram 72 horas de greve mais que suficientes para provocar uma crise energética que afetou todo o país e que levou o governo a declarar uma situação de alerta. E foi mais. Três dias e uma madrugada de greve serviram para mostrar quem são os motoristas que transportam os materiais perigosos, como trabalham, o que ganham e a falta que fazem para a sociedade funcionar. Foi este o retrato traçado pelo advogado que representa o sindicato, Pedro Pardal Heriques, com a consciência de que chegara a hora de parar. “Temos noção que se continuássemos com esta greve iríamos causar problemas ao país, e não é nossa intenção. Queríamos apenas alertar para a importância que estes homens têm”, disse, logo após a comunicação do ministro das Infraestruturas ao país, Pedro Nuno Santos, pouco depois das 8h00 desta quinta-feira.

De uma reunião que se prolongou ao longo de 10 horas, e que só terminou pelas 4h00, saiu um acordo assinado entre o recém criado Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) e a Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM). A primeira reunião ficou já marcada para dia 29 de abril e as negociações deverão ser supervisionadas pelo Governo. Aliás, vão todas decorrer nas instalações do Ministério das Infraestruturas e Habitação, na Rua Barbosa du Bocage, em Lisboa. O processo deverá estar concluído no final do ano.

No acordo divulgado esta manhã, o SNMMP reconhece que a greve que convocou a 28 de março, para começar a 15 de abril, “tem causados prejuízos muito significativos à economia nacional, a todos os agentes do setor e, acima de tudo, à população em geral” pelo que aceita pôr fim à paralisação. A ANTRAM, por seu turno, assume-se como a associação mais representativa do patronato para poder negociar com os motoristas. E o governo revela a necessidade de garantir a paz social e a satisfação coletiva, assumindo o papel de mediador.

Assim, comprometem-se todos, até 31 de dezembro de 2018, começar um processo de negociação que “promova e dignifique a atividade de motorista de mercadorias perigosas”, lê-se no acordo. A negociação assenta em cinco reivindicações distintas:

A individualização da atividade no âmbito da tabela salarial

No atual contrato coletivo de trabalho, só existe a categoria “Motorista de Pesados”, que tem uma remuneração base de 630 euros. Não há categoria própria para os cerca de 800 motoristas que todos os dias transportam materiais perigosos. O presidente do SNMMP, Francisco São Bento, quer que na base salarial dessa categoria profissional esteja o correspondente a dois salários mínimos (ou seja, duas vezes 600 euros). Para a ANTRAM, no entanto, em declarações aos jornalistas, este é já o salário que estes profissionais levam para casa.

Subdídio de Risco

Para que não existam dúvidas entre salário e subsídios, e pela perigosidade da profissão que exercem estes profissionais com uma certificação que os outros motoristas não têm, o sindicato — que representa 600 trabalhadores — quer uma atualização do subsídio de risco, atualmente de 7,5 euros por dia. O advogado do sindicato já alertou que há motoristas a trabalharem mais de 16 horas por dia e que não recebem mais por isso. Denunciou também situações de fraude fiscal por algumas empresas.

Formação especial

O novo contrato coletivo, aprovado para o setor em setembro de 2018, obriga as entidades empregadoras a custearem os custos de formação para que os motoristas obtenham as suas certificações legais – CQM (para a generalidade dos motoristas) e, também, ADR (um acrónimo que ficou do tratado europeu sobre transporte de materiais perigosos por estrada, no caso dos motoristas de matérias perigosas), como já referiu a ANTRAM. Mas o sindicato do setor exige uma formação especial.

Seguros de vida específicos

Às reivindicações, o sindicato juntou também o pedido de um seguro de vida específico para quem transporta substâncias consideradas perigos.

Exames médicos específicos

Os motoristas estão também preocupados em discutir com as entidades patronais, na presença do Governo, a possibilidade de serem sujeitos a exames médicos mais específicos dados os perigos a que a profissão os expõe.

O ministro das Infraestrutras, Pedro Nuno Santos, acredita que esta negociação chegue a bom porto. E lembrou, na conferência de imprensa desta manhã de quinta-feira, o papel da FECTRANS, Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações, com quem, em setembro de 2018, chegou a um “acordo histórico”. Não deixou, no entanto, de avisar a ANTRAM, face às informações prestadas pelo sindicato nos últimos dias em horas de reuniões: “sabemos que há ainda empresas que não cumprem o acordo, o Estado usará de todos os mecanismos ao seu dispor para que o acordo coletivo de trabalho seja cumprido. Ninguém está acima da lei e é fundamental que todas cumpram da mesma forma”, disse.

A ANTRAM foi uma das signatárias do contrato coletivo, em setembro de 2018, que resultou da negociação entre a FECTRANS e o governo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ssimoes@observador.pt
Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

PSD

Rui Rio precisa do eleitorado de direita /premium

João Marques de Almeida

O eleitorado de direita deve obrigar Rui Rio a comprometer-se que não ajudará o futuro governo socialista a avançar com a regionalização e a enfraquecer o Ministério Público. No mínimo, isto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)