Rádio Observador

Cinema

“Noites Mágicas”: memórias pouco nostálgicas de um cinema italiano desaparecido

No filme autobiográfico "Noites Mágicas", Paolo Virzi põe em cena três jovens que percorrem Roma no Verão de 1990, com o sonho de fazerem cinema. Eurico de Barros dá-lhe três estrelas.

Autor
  • Eurico de Barros

Às vezes, não vale a pena desperdiçarmos a nossa nostalgia, é o que parece dizer o italiano Paolo Virzi (“O Capital Humano”) no seu novo filme, “Noites Mágicas”, que tem uma forte componente autobiográfica. Estamos em Roma, no Verão de 1990. A Itália vai ser eliminada pela Argentina nas meias-finais do Mundial de Futebol que se disputa em terras transalpinas, e o cinema italiano está em queda desde meados da década de 80: crise económica, uma geração de velhos e grandes realizadores a disparar os últimos cartuchos, seca de novos talentos, ressaca criativa, fuga maciça dos espectadores das salas, advento da televisão comercial. Nem o aparecimento de cineastas como Nanni Moretti, nem o Óscar de Melhor Filme Estrangeiro para “Cinema Paraíso”, de Giuseppe Tornatore, em 1989, mascaram as evidências. É o fim de uma era de ouro das fitas italianas.

[Veja o “trailer” de “Noites Mágicas”]

É este o cenário que encontram, na Cidade Eterna, os três finalistas do Prémio Solinas para jovens argumentistas: o siciliano Antonino (Mauro Lamantia), tão cinéfilo quanto ingénuo e socialmente desastrado; o toscano Luciano (Giovanni Toscano), esquerdista, estoira-vergas e que não pode ver um rabo de saia; e a romana Eugenia (Irene Vetere), uma neurótica viciada em comprimidos, com complexos por ter nascido em berço de ouro e o pai ser um político rico e poderoso (Antonino e Luciano têm ambos um pouco de Virzi, que chegou a Roma vindo da província na altura exata em que o filme se passa; e Eugenia é baseada na argumentista e realizadora Francesa Archibugi, que participou na escrita de “Noites Mágicas”).

[Veja uma entrevista com o realizador e o elenco]

Antonino ganha o prémio de 25 milhões de liras pelo seu argumento sobre um pintor do Renascimento. E o trio, que se instala no luxuoso apartamento de Irene, vai envolver-se com um produtor truculento e falido, Saponaro (Giancarlo Giannini), cruzar-se em restaurantes, discotecas, festas e nas ruas de Roma com a geração anterior de cineastas e argumentistas, já no ocaso da sua existência e das suas capacidades criativas, descobrir que os novos talentos são explorados pelos mais velhos e instalados no sistema (as “fábricas” de escrita onde os jovens teclam, furiosa e anonimamente, episódios de séries de televisão e argumentos de filmes em que os veteranos põem depois os nomes), perderem as esperanças e ilusões de vingarem no cinema (Saponaro convence Antonino a tornar o seu filme numa série para a RAI, Irene é usada sexualmente por um ator francês “intelectual” a quem leva o seu argumento) e envolverem-se numa intriga policial onde se tornam suspeitos de assassínio.

[Veja uma cena do filme]

O melhor de “Noites Mágicas” é precisamente a evocação parte melancólica, parte satírica, mas muito pouco saudosista, que Paolo Virzi faz de um tempo vivido intensamente, de uma agitada atmosfera social e artística e de um momento de transição do italiano cinema que se desvaneceram. E o espectador pode divertir-se com o “quem é quem” das personalidades que aparecem ao longo do filme, onde reconhecemos realizadores como Antonioni, Monicelli, Scola ou Fellini (Saponaro leva Antonino à rodagem do último filme deste, “A Voz da Lua”), argumentistas como Suso Cecchi D’Amico (que o tradutor de “Noites Mágicas” não sabe que era uma mulher e chama-lhe “o Suso”), Scarpelli ou De Concini, ou atores como Mastroianni, Sordi e Tognazzi (Ornella Muti surge, já muito plastificada, a fazer de diva “sexy” na sequência da entrega do prémio).

[Veja uma sequência do filme]

Este mundo desaparecido nunca é fustigado com muita violência nem retratado com excesso de bílis por Virzi. Apesar de tudo o que tinha de negativo e de desencorajador (os três principais protagonistas de “Noites Mágicas” são todos desenganados nos seus sonhos de fama, grandeza e intervenção política, e nenhum deles acaba por fazer carreira no cinema), ele foi também o seu, quando era novo e ambicioso. No lado menos conseguido da fita, as personagens, sobretudo as secundárias, andam sempre no limite da caricatura (a amante loura, curvilínea e burra de Saponaro, o jovem ator símbolo sexual, egocêntrico e cabotino, o velho realizador achacado, contestatário e frustrado), o “name dropping” torna-se irritante a certa altura e Virzi não resiste, de forma demasiado óbvia, a dar sermão aos mais jovens sobre como fazer cinema a pensar no espectador.

Tudo pesado e considerado, “Noites Mágicas” acaba por ser um filme agradavelmente potável, porque Paolo Virzi tem não só a câmara como também o coração e as recordações no lugar certo. E os atores, todos bem arrumadinhos nas suas personagens, e Roma e a sua luz estival, tratam do resto.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)