Rádio Observador

Medicina

Últimas memórias de João Lobo Antunes, um homem que “a Medicina fez médico”

1.056

João Lobo Antunes, um dos grandes nomes da Medicina portuguesa, encarava cada cirurgia como uma "nova aventura". Últimas memórias foram agora editadas em livro.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

João Lobo Antunes, um dos grandes nomes da Medicina portuguesa, encarava cada cirurgia como uma “nova aventura”. Nas últimas memórias, agora editadas em livro, confessa que o medo é um sentimento que um cirurgião guarda e de que raramente fala.

“Toda a vida pensei muito sobre um sentimento que o cirurgião guarda para si e sobre o qual raramente fala: o medo”, escreve João Lobo Antunes em “Um Neurocirurgião em Construção”, obra póstuma que será lançada na segunda-feira na Ordem dos Médicos, em Lisboa, mais de dois anos depois da sua morte.

Antes das intervenções cirúrgicas mais complicadas, o médico confessa que acordava mais cedo e permanecia “num estado de constrição, como que apertado por um colete”, até começar a desinfetar-se e a vestir os paramentos cirúrgicos.

A partir daí, o medo transformava-se “numa forma diferente de energia” que o impulsionava, e o neurocirurgião não recorda qualquer situação em que tenha perdido o controlo.

Lobo Antunes via-se como “fastidiosamente meticuloso” na cirurgia, um rigor que cumpriu sempre também enquanto estudante de Medicina, sendo aliás até hoje dos estudantes com notas mais elevadas da Faculdade de Lisboa.

Passou seis verões, entre 1962 e 1967, a estudar seguindo um “horário monacal”: das 09:00 às 13:00, das 15:00 às 20:00 e das 21:00 às 23:00. Ainda assim, foi um tempo “de felicidade resignada”.

Apesar do rigor, do método, do trabalho e do estudo permanente ao longo da vida, o neurocirurgião entendia que “o ato médico implicava um contrato pastoral”.

“Por isso, quando ouvia um chamamento, que parecia ser segredado pela minha consciência, respondia sempre”, descreve na obra.

Exemplo disso foi o caso de um colega neurologista que lhe telefonou sobre uma menina que tinha internada num hospital privado em Lisboa e que gostaria que a observasse. Lobo Antunes encontrava-se num almoço social e perguntou se era urgente. O colega disse-lhe que não parecia ser o caso e então dispôs-se a ir no dia seguinte.

“Poucos minutos depois, uma voz interior segredou-me: ‘Vai já’. Larguei o almoço, parti logo para Lisboa e, quando entrei no quarto, a menina entrara em coma. Foi necessária uma intervenção urgente, que lhe salvou a vida”, descreveu.

Na casa dos seis irmãos Lobo Antunes sempre se respirou Medicina e o número de médicos na família fazia suspeitar numa “intrigante razão genética”.

Mas no dia da matrícula na Faculdade, João Lobo Antunes saiu determinado a inscrever-se em Engenharia no Instituto Superior Técnico — sonhava ser bioquímico. Uma “epifania” levou-o a mudar o percurso na cidade e, numa decisão de momento, foi inscrever-se em Medicina, ainda num tempo sem ‘numerus clausus’.

Descreve-se como um homem “que a Medicina fez médico”, embora considerasse que a sua “medula intelectual” era de professor.

Além do início do seu percurso profissional e do tempo de trabalho nos Estados Unidos, as suas últimas memórias centram-se muito na infância que passou em Benfica (Lisboa), na adolescência no Liceu Camões e na vivência familiar.

A leitura e os livros ocuparam um espaço determinante na vida dos seis irmãos, um deles o escritor António Lobo Antunes.

“Fomos criados mais com livros do que com brinquedos”, escreveu, frisando que “a leitura foi muito importante para aqueles filhos”, tal como era para o pai, também médico.

Aprendeu a ler sem saber como, ao contrário do que aconteceu com os irmãos, todos ensinados pela mãe.

Nas várias facetas que compuseram a sua vida, Lobo Antunes dedicou ainda um capítulo ao período em que foi apresentador de televisão, na RTP, quando ainda era um jovem, com 15 anos, depois de, a convite, ter ido fazer testes para se tornar apresentador de um programa.

“Foi uma experiência muito importante para mim e para a minha formação como adulto”, escreve, justificando que a televisão lhe apurou o autocontrolo, a capacidade de improvisar e o sentido de trabalho.

Do livro que contém as suas últimas memórias, distingue-se um médico e um homem dedicado ao trabalho, ao estudo, à aprendizagem e à educação, que colocava em tudo um intuito de perfeição:

“No cerne da minha educação esteve sempre a necessidade de aprender tudo, desde o modo de colocar o doente na posição correta até ao uso adequado dos instrumentos e do cuidado como devem ser manuseados — todos eram para mim como um Stradivarius”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ambiente

Como assim é bom termos baixa natalidade? /premium

Maria João Marques

O projeto The Great Decrease tem colocado cartazes celebrando baixas taxas de natalidade, também em Portugal. Baixa natalidade é sintoma e causa de uma sociedade decadente. Não há nada a celebrar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)