Rádio Observador

Festivais de Música

Amplifest de regresso ao Porto com Deafheaven, Amenra e Pelican

No dia 9 de abril, a organização do evento anunciou o regresso em 2019, depois de o festival ter ficado em suspenso desde a sexta edição, em 2016, que levou ao Porto os norte-americanos Neurosis.

NINA PROMMER/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O festival Amplifest, que regressa ao Porto em outubro três anos depois da última edição, anunciou esta terça-feira o cartaz completo, contando com nomes repetentes, de Deafheaven a Amenra, e com estreias como Inter Arma e Daughters.

O Amplifest vai realizar-se no Hard Club nos dias 12 e 13 de outubro, tendo ainda no cartaz Author & Punisher, Birds in Row, Bliss Signal, Candura, Emma Ruth Rundle, Gaerea, Ingrina, JK Flesh, Nadja, Portrayal of Guilt, Some Became Hollow Tubes e Touché Amoré.

No dia 9 de abril, a organização do evento tinha anunciado o regresso em 2019, depois de o festival ter ficado em suspenso desde a sexta edição, em 2016, que levou ao Porto os norte-americanos Neurosis.

Em palco no Hard Club vão estar os norte-americanos Deafheaven, presença habitual em Portugal desde o lançamento do primeiro disco, “Roads to Judah”, tendo lançado em 2018 o quarto álbum de originais, “Ordinary Corrupt Human Love”, de onde foi retirado o tema “Black Brick”, lançado de forma autónoma em fevereiro deste ano. Também de volta vão estar os belgas Amenra, que já por duas vezes passaram pelo Amplifest (2012 e 2015), ainda com “Mass VI” como álbum mais recente, datado de 2017.

Entre a lista de estreias, o Amplifest apresenta os norte-americanos Inter Arma, que acabam de lançar “Sulphur English” e são comparados a uns “Paradise Lost mais difusos, uns Om mais agressivos e uns Kylesa mais pedrados”, numa citação atribuída ao músico John Darnielle.

Outros norte-americanos, Daughters, vão marcar presença no Amplifest, ainda com o disco “You Won’t Get What You Want” na memória, o primeiro em oito anos, que recebeu um oito em 10 na Pitchfork e tem uma classificação de 87 em 100 no Metacritic.

Ao Porto volta também James Kelly, de Wife e Altar of Plagues, mas desta vez apresenta-se com o projeto Bliss Signal, enquanto os Pelican atuam novamente em Portugal depois de terem lançado, no Record Store Day este mês, as primeiras novas faixas desde 2013.

“Queremos ser uma alternativa a um mundo supersaturado de festivais, propondo uma experiência imersiva e exploratória, relaxada e sem sobreposições. Quem já nos visitou está ciente do que falamos: a atmosfera íntima e familiar entre melómanos e músicos, as colaborações “impromptu” nos palcos, a descoberta de uma nova banda preferida, a troca de impressões nas Amplitalks e, principalmente, todas as memórias que se criam e se enraízam”, pode ler-se na página da organização. Os bilhetes para o Amplifest já estão à venda, por 75 euros para os dois dias.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)