Barack Obama

EUA. Milícia planeava assassinar Barack Obama e Hillary Clinton

265

O líder de um grupo que capturava emigrantes na fronteira com o México foi detido por posse de armas e confessou às autoridades que existiam planos para matar Barack Obama, Hillary Clinton e Soros.

Larry Hopkins já estava na mira das autoridades e agora pode enfrentar uma pena de 10 anos de prisão.

O líder de uma milícia norte-americana que capturava imigrantes sem documentos na fronteira com o México, Larry Hopkins, foi detido no sábado e confessou ao FBI que o grupo planeava matar Barack Obama, Hillary Clinton e o magnata e multimilionário George Soros, adianta a BBC.

O homem responsável pelo grupo ”Patriotas Constitucionais dos Estado Unidos”, ”United Constitutional Patriots” em inglês, tem 69 anos e foi detido pelas autoridades em Sundland Park, no estado do Novo México, por posse de arma.

O jornal espanhol El Mundo diz que a detenção aconteceu depois de os ”Patriotas Constitucionais” terem publicado nas redes sociais, uns dias antes, um vídeo em que se vê os membros do grupo a mandar as famílias de imigrantes, incluindo crianças, sentarem-se no chão enquanto chegava a patrulha da fronteira dos EUA. Atos como este têm chamado a atenção de grupos de direitos civis e das autoridades locais.

Na segunda-feira, Hopkins foi presente a tribunal em Las Cruces, New Mexico, e disse que não era culpado das acusações de posse de arma que estava a enfrentar, alegando que estava a ajudar o país e a exercer os seus direitos como cidadão americano, mas antes do julgamento, segundo o agente especial David Gabriel, em 2017, o FBI tinha a informação de que o grupo, com cerca de 20 membros na altura, estava sediado na casa de Hopkins e estava armado com espingardas AK-47.

Ora, segundo a lei norte-americana, quem já tiver uma condenação criminal anterior não pode ter armas e o homem já tinha cadastro: em 1996 foi condenado por posse de arma de fogo e cumpriu uma sentença de 16 meses a 2 anos. Em 2006, foi preso pelos mesmos motivos durante 40 dias de prisão e 36 meses de liberdade condicional. Ao mesmo tempo, Hopkins foi acusado de roubo de identidade de um polícia e cumpriu 20 dias de prisão e 24 meses de liberdade condicional, segundo a NBC News.

É incerto quando Hopkins admitiu que o grupo que liderava estava a fazer planos para matar Barack Obama, Hillary Clinton e Soros, mas certo é que as alegações estão presentes nos documentos judiciais publicados esta semana, avança a BBC.

O advogado do homem, Kelly O’Connell, negou as alegações à NBC News, dizendo que ”não havia planos para fazer isso” e que ”é categoricamente falso aquilo que eles [os membros do grupo] estavam a fazer”.

Se Hopkins for considerado culpado pode enfrentar 10 anos de prisão mais 3 anos de liberdade condicional e terá de pagar 250 mil dólares (mais de 223 mil euros) de multas. Foi marcada uma nova audiência para a próxima semana, e até lá o suspeito permanece sob custódia.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: imartins@observador.pt
Terrorismo

Rebeldes, separatistas e equívocos

Diogo Noivo

Para precaver reincidências, importa chamar as coisas pelos nomes. No referente à ETA, as palavras “rebeldes” e “separatistas” são equívocos que devem ser evitados, pois foi uma organização terrorista

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)