Rádio Observador

Barack Obama

EUA. Milícia planeava assassinar Barack Obama e Hillary Clinton

265

O líder de um grupo que capturava emigrantes na fronteira com o México foi detido por posse de armas e confessou às autoridades que existiam planos para matar Barack Obama, Hillary Clinton e Soros.

Larry Hopkins já estava na mira das autoridades e agora pode enfrentar uma pena de 10 anos de prisão.

O líder de uma milícia norte-americana que capturava imigrantes sem documentos na fronteira com o México, Larry Hopkins, foi detido no sábado e confessou ao FBI que o grupo planeava matar Barack Obama, Hillary Clinton e o magnata e multimilionário George Soros, adianta a BBC.

O homem responsável pelo grupo ”Patriotas Constitucionais dos Estado Unidos”, ”United Constitutional Patriots” em inglês, tem 69 anos e foi detido pelas autoridades em Sundland Park, no estado do Novo México, por posse de arma.

O jornal espanhol El Mundo diz que a detenção aconteceu depois de os ”Patriotas Constitucionais” terem publicado nas redes sociais, uns dias antes, um vídeo em que se vê os membros do grupo a mandar as famílias de imigrantes, incluindo crianças, sentarem-se no chão enquanto chegava a patrulha da fronteira dos EUA. Atos como este têm chamado a atenção de grupos de direitos civis e das autoridades locais.

Na segunda-feira, Hopkins foi presente a tribunal em Las Cruces, New Mexico, e disse que não era culpado das acusações de posse de arma que estava a enfrentar, alegando que estava a ajudar o país e a exercer os seus direitos como cidadão americano, mas antes do julgamento, segundo o agente especial David Gabriel, em 2017, o FBI tinha a informação de que o grupo, com cerca de 20 membros na altura, estava sediado na casa de Hopkins e estava armado com espingardas AK-47.

Ora, segundo a lei norte-americana, quem já tiver uma condenação criminal anterior não pode ter armas e o homem já tinha cadastro: em 1996 foi condenado por posse de arma de fogo e cumpriu uma sentença de 16 meses a 2 anos. Em 2006, foi preso pelos mesmos motivos durante 40 dias de prisão e 36 meses de liberdade condicional. Ao mesmo tempo, Hopkins foi acusado de roubo de identidade de um polícia e cumpriu 20 dias de prisão e 24 meses de liberdade condicional, segundo a NBC News.

É incerto quando Hopkins admitiu que o grupo que liderava estava a fazer planos para matar Barack Obama, Hillary Clinton e Soros, mas certo é que as alegações estão presentes nos documentos judiciais publicados esta semana, avança a BBC.

O advogado do homem, Kelly O’Connell, negou as alegações à NBC News, dizendo que ”não havia planos para fazer isso” e que ”é categoricamente falso aquilo que eles [os membros do grupo] estavam a fazer”.

Se Hopkins for considerado culpado pode enfrentar 10 anos de prisão mais 3 anos de liberdade condicional e terá de pagar 250 mil dólares (mais de 223 mil euros) de multas. Foi marcada uma nova audiência para a próxima semana, e até lá o suspeito permanece sob custódia.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: imartins@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)