Assalto em Tancos

Tancos: assessor militar entregou cópia do “memorando” ao chefe de gabinete do primeiro ministro

O assessor militar do primeiro-ministro disse que entregou ao chefe de gabinete de António Costa cópia do "memorando" sobre a recuperação do material furtado em Tancos a 12 de outubro de 2018.

MÁRIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O assessor militar do primeiro-ministro, major-general Tiago Vasconcelos, disse esta quarta-feira que entregou ao chefe de gabinete de António Costa cópia do “memorando” sobre a recuperação do material furtado em Tancos no dia 12 de outubro de 2018.

Ouvido na comissão de inquérito sobre o furto de Tancos, o militar relatou que a 11 de outubro pediu cópia do documento ao então ex-chefe de gabinete do ex-ministro Azeredo Lopes, Martins Pereira, e que o general lho entregou “no dia 12 de manhã”.

Ele prontificou-se a dar-me cópia do documento e deu-me no dia 12 de manhã, um documento sem timbre, sem data. Falei com o chefe de gabinete do primeiro-ministro [Francisco André] e disse-lhe ‘passa-se isto assim-assim’ e eu entreguei o documento ao chefe de gabinete no dia 12″, relatou.

“Não sei qual foi o destino subsequente do documento”, disse.

No mesmo dia, à tarde, o ex-ministro da Defesa Nacional Azeredo Lopes anunciou a demissão do cargo, facto que levou o deputado do CDS-PP António Carlos Monteiro a questionar se terá sido coincidência.

“Não faço ideia”, respondeu Tiago Vasconcelos.

Questionado pelos deputados do PS sobre se viu no documento alguma responsabilidade do então ministro Azeredo Lopes, do primeiro-ministro ou do ex-chefe do Estado-Maior do Exército numa eventual encenação ou encobrimento, o militar respondeu: “zero”.

“E realmente não se vê aqui [no documento] evidência de qualquer crime”, considerou.

O assessor militar do primeiro-ministro solicitou a Martins Pereira cópia do “memorando” na sequência de notícias divulgadas dias antes, segundo as quais o ex-investigador da PJM Vasco Brazão entregou ao ex-chefe de gabinete de Azeredo Lopes um documento sem timbre e sem data descrevendo uma “encenação” da recuperação do material furtado.

O general Martins Pereira admitiu depois que tinha recebido um documento e que entregou ao DCIAP (Departamento Central de Investigação e Ação Penal).

Na audição desta quarta-feira, e questionado sobre se entendeu que operação de recuperação do material foi uma “encenação” da PJM, o major-general declarou que “quase de certeza absoluta, o senhor primeiro-ministro não sabia de encenação nenhuma”.

Tiago Vasconcelos admitiu que só “despertou” para a questão de Tancos a partir do momento em que a 14 de julho de 2018 foi noticiado que havia material em falta, entre granadas e explosivos, naquele que foi recuperado na Chamusca, quatro meses depois do furto, ocorrido em 2017.

Sobre esta questão, o major-general disse que não lhe pareceu que o “primeiro-ministro pudesse fazer outra coisa que não esperar que a investigação judicial decorresse”.

Questionado pelo CDS-PP sobre o primeiro-ministro ter afirmado, em 2017, que o material tinha sido “todo recuperado”, o major-general respondeu que se o primeiro-ministro o afirmou “é porque era essa a informação que tinha”.

O assessor militar disse ainda que, decorrendo uma investigação judicial, a questão de Tancos “não era uma questão candente e prioritária” porque naquela altura, em julho de 2018, a “questão que ocupava mais tempo era a preparação da cimeira da NATO em Bruxelas”.

O ex-ministro Azeredo Lopes, que se demitiu devido ao processo, em 2018, será o último a ser ouvido na comissão, em 07 de maio.

O furto do material militar, entre granadas, explosivos e munições, dos paióis de Tancos, foi noticiado em 29 de junho de 2017 e parte do equipamento foi recuperado quatro meses depois.

O caso ganhou importantes desenvolvimentos em 2018, tendo sido detidos, numa operação do Ministério Público e da Polícia Judiciária, sete militares da Polícia Judiciária Militar e da GNR, suspeitos de terem forjado a recuperação do material em conivência com o presumível autor do crime.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)