Rádio Observador

Caso Lava Jato

Nova operação da Lava Jato investiga funcionários do banco Paulista no Brasil

Segundo o Ministério Público brasileiro, pelo menos 48 milhões de reais (10,7 milhões de euros) foram transferidos pela Odebrecht, no exterior, para seis executivos do banco Paulista.

Os executivos terão ajudado a branquear capital enviado para o exterior pelo chamado "setor de operações estruturadas", criado dentro da Odebrecht para pagar subornos a agentes públicos e políticos

Joedson Alves/EPA

O Ministério Público brasileiro anunciou esta quarta-feira que está a investigar a participação de executivos do Banco Paulista em operações de branqueamento de capitais juntamente com a construtora Odebrecht, no âmbito da operação anticorrupção Lava Jato.

Segundo o Ministério Público brasileiro, as investigações revelaram que pelo menos 48 milhões de reais (10,7 milhões de euros) foram transferidos pela construtora, no exterior, para seis executivos do banco, capital que terá sido branqueado entre 2009 e 2015 através da celebração de contratos ideologicamente falsos com o banco no Brasil.

Outras transferências suspeitas para empresas aparentemente sem estrutura, na ordem de 280 milhões de reais (62,9 milhões de euros), também estão a ser investigadas.

Estão a ser cumpridos três mandados de prisão preventiva contra os executivos do banco Paulista Paulo Cesar Haenel Pereira Barreto, Tarcísio Rodrigues Joaquim e Gerson Luiz Mendes de Brito, e 41 mandados de busca e apreensão em sedes de empresas que transacionaram com a instituição financeira.

Segundo os investigadores brasileiros, os executivos terão ajudado a branquear capital enviado para o exterior pelo chamado “setor de operações estruturadas”, criado dentro do Grupo Odebrecht para pagar subornos a agentes públicos e políticos, sobretudo no esquema descoberto nos contratos da construtora com a Petrobras.

O esquema de branqueamento de capitais supostamente praticado pelos executivos do Banco Paulista consistia na contratação de empresas fantasmas que emitiam recibos e contratos falsos para justificar serviços não prestados e envio de dinheiro para o exterior.

“Os pagamentos do Banco Paulista a essas empresas sem existência real, por serviços nunca prestados, foram fraudulentamente justificados por contratos fictícios e notas fiscais falsas”, destacou o Ministério Público Federal brasileiro num comunicado.

Apenas no período de 2009 a 2015, o Banco Paulista terá efetuado sem a efetiva contraprestação de serviços, pagamentos superiores a 48 milhões de reais em favor de sete empresas fantasmas.

A Receita Federal do Brasil apurou que quase a totalidade (99%) da faturação dessas empresas, que não tinham funcionários, era originário do Banco Paulista, o que chamou a atenção, uma vez que seriam sociedades de consultoria empresarial que não teriam prestado serviços a outras empresas.

O procurador da República Júlio Noronha destacou que “a operação de hoje inicia a responsabilização de agentes que atuaram no mercado financeiro e bancário, e permitiram que milhões de reais fossem lavados e pagos como propina [suborno] no grande esquema revelado pela Lava Jato”.

“Quem falhou na deteção e na comunicação dessas condutas criminosas de lavagem, e até nelas participou, pode ser chamado à responsabilidade”, acrescentou.

O Ministério Público brasileiro frisou que a investigação foi fundamentada em testemunhos e documentos decorrentes dos acordos de colaboração celebrados pela força-tarefa Lava Jato em Curitiba, especialmente do acordo de leniência (redução da pena em troca da confissão de crimes) firmado com o Grupo Odebrecht.

Também foram usados dados obtidos a partir do afastamento do sigilo bancário e fiscal dos envolvidos, rastreamentos financeiros no Brasil e no exterior e documentos decorrentes de fiscalização e auditoria feitas pelo Banco Central do Brasil.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)