Rádio Observador

Huawei

EUA. Instituto de revista científica liderada por português bane Huawei “de certas atividades”

O Instituto de Engenheiros Eletricistas e Eletrónicos, com sede nos EUA e liderado por José Moura, impediu a Huawei e funcionários de participar "em certas atividades" devido à decisão de Trump.

O bloqueio à Huawei pelos Estados Unidos da América foi imposto a 16 de maio de 2019

ALEKSANDAR PLAVEVSKI/EPA

O Instituto de Engenheiros Eletricistas e Eletrónicos (IEEE, também nas siglas em inglês), impediu a Huawei e funcionários da empresa de participar em “certas atividades” da organização, como “publicação peer-review” (avaliação pelos pares, normalmente académicos ou investigadores) e “processo editorial”, divulgou a entidade em comunicado. O IEEE tem como presidente executivo José Moura, professor e investigador em engenharia informática na Universidade norte-americana Carnegie Mellon.

A IEEE afirma que a decisão foi tomada apenas para cumprir os requisitos do executivo dos Estados Unidos da América ao pôr a Huawei numa lista negra que levou empresas como a Google ou a Intel a anunciar o fim de relações. A entidade diz ainda que acredita que esta medida vai ter “impacto mínimo” no membros da IEEE, “incluindo aqueles na China”. Além disso, as “conferências e eventos em todo o mundo” que a organização promove e o acesso a “milhões de publicações” vão continuar “acessíveis a todos, independentemente da entidade empregadora”.

A associação norte-americana liderada pelo português José Moura identifica-se como “a maior organanização técnica e profissional dedicada ao avanço da tecnologia para benefício da humanidade”. A IEEE é responsável por várias publicações cientifícas citadas em trabalhos de investigação académico, sendo uma das associações de referência na área de engenharia informática.

Apesar de a IEEE referir os “impactos mínimos desta medida”, referindo explicitamente que “os funcionários da Huawei podem continuar a ser um membro da Associação de Standards da IEEE, a medida foi recebida com desagrado por alguns membros chineses, divulgou o TechCrunch. Alguns editores das publicações da IEEE receberam um e-mail da associação a afirmar que continuar a trabalhar com “colegas da Huawei” pode ter “implicações jurídicas severas”. Por esse motivo, Zhang Haixia, professora da universidade de Peking, na China, anunciou que vai deixar de trabalhar com a IEEE.

Com esta medida, a IEEE junta-se a organizações como a Google ou Intel. Noutros casos, como a SD Association (controla todos os padrões para a tecnologia e utilização de cartões de memória SD) e a Wi-Fi Alliance (que estabelece os padrões de redes Wi-Fi), também houve bloqueios à Huawei, mas a situação foi revertida esta semana.

A Wi-Fi Alliance, que tem membros como a Apple, Qualcomm, Broadcom e Intel, “restringiu temporariamente” a Huawei de participar nos trabalhos da organização na definição dos standards da tecnologia wireless. Isto significa que, apesar de a Huawei poder continuar a utilizar os padrões e antenas Wi-Fi, esteve impedida desde a semana passada de participar nos trabalhos desta organização, que reverteu a situação. A SD Association também voltou atrás.

A Huawei tem reiteradamente contestado as acusações dos Estados Unidos da América de que está envolvida em espionagem em conluio com o governo chinês. Com o bloqueio do executivo de Donald Trump, a empresa chinesa tem afirmado que já estava a trabalhar em planos B para um cenário de quebra de relações, o que vai implicar ter de ter um novo sistema operativo móvel e arranjar novos fornecedores para fabricar os produtos que vende, dos smartphones às redes 5G. A Huawei está ainda a tentar romper o bloqueio através do tribunais norte-americanos.

Contudo, sem data possível de lançamento para um software próprio da empresa e com os 90 dias de “transição” para o bloqueio dos EUA a chegarem ao fim em agosto, o futuro da Huawei é incerto (a empresa tem afirmado que vai continuar a garantir o suporte dos atuais equipamentos que têm software da Google).

*Artigo atualizado com informação de que a Wi-Fi Alliance e a SD Association reverteram a suspensão à Huawei anunciada na semana passada esta semana. 

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)