Rádio Observador

Huawei

Lançamento de sistema operativo da Huawei não está decidido

2.463

Executivo da Huawei afirmou ao TechRadar que novo sistema operativo ia sair em junho, mas empresa disse ao jornal que houve "confusão interna". Ao Observador, Huawei não comenta o caso.

Atualmente o sistema operativo dos smartphones da Huawei é o Android com uma versão modificada, chamada EMUI, da empresa

LARRY W. SMITH/EPA

O sistema operativo móvel da Huawei que vai competir com o Android, da Google, e o iOS, da Apple, teve esta tarde como data de lançamento o mês de junho, avançou o TechRadar. A notícia tinha sido confirmada à publicação por Alaa Elshimy, vice-presidente da empresa chinesa para o mercado do Médio Oriente. Contudo, ao mesmo meio, a Huawei afirmou que data anunciada foi devido a uma “confusão interna” e que o software não tem ainda data de lançamento. Ao Observador, a empresa não prestou comentários e remeteu explicações para a notícia atualizada do TechRadar.

Mesmo com confusões internas, ficou a saber-se mais novidades do que pode ser o novo software base para os equipamentos móveis da Huawei. O software tem o nome de código HongMeng e pode ter como nome oficial ArkOs. A data de lançamento pode ser ainda em 2019, mas apenas para o mercado chinês.

Segundo Elshimy, espera-se que todas as aplicações atualmente disponíveis para Android funcionem no sistema operativo. A afirmação é ousada: outras empresas, como a Microsoft, com o Windows Phone, e a Blackberry, com o Blackberry OS, tentaram o mesmo e falharam.

Para poder instalar aplicações, os utilizadores vão poder utilizar a AppGallery, a loja de apps da Huawei atualmente disponível para Android, afirmou ainda o executivo.

O executivo da Huawei afirmou que tem este sistema operativo preparado desde janeiro de 2018 e que este era “o plano B”. A empresa afirma que sabia que um bloqueio como o que está a enfrentar estava em cima da mesa mas não quis lançar o software “porque tinha uma forte relação com a Google”.

Não queríamos trazer para o mercado o sistema operativo porque tínhamos uma relação forte com a Google e outros e não queríamos estragar a relação. Agora, vamos lançá-lo no próximo mês”, disse Alaa Elshimy.

O HongMeng vai funcionar em todos os dispositivos, de smartphones e relógios inteligentes até carros conectáveis ou televisões inteligentes. Não é sabido que produto vai ser utilizado para demonstrar este novo sistema operativo. Contudo, com o próximo grande lançamento da Huawei a ser o Mate X, o telemóvel com ecrã dobrável da empresa, é possível que a tecnológica chinesa lance os dois em simultâneo.

Várias empresas norte-americanas e de outros países, como o Japão e Reino Unido, estão a cortar relações com a Huawei desde que os EUA puseram a empresa num “lista negra”. Esta sanção do executivo de Donald Trump impossibilitou a Huawei de continuar os acordos que tinha com os norte-americanos. Os EUA acusam a empresa chinesa de querer implementar redes 5G e vender produtos para ajudar a China a espiar outros países. A Huawei tem negado reiteradamente estas acusações.

Depois de anunciado o bloqueio à Huawei na semana passada, que levou a Google e fabricantes de chips como a Intel ou Qualcomm a suspender relações com a empresa, os EUA deram 90 dias para a “transição”. Com o fim destas relações, o futuro dos equipamentos da Huawei é incerto. Atualmente, a empresa chinesa não faz parte da organização que estabelece os padrões de redes sem fios Wi-Fi ou da associação que permite utilizar cartões de memória externa SD nos equipamentos.

O período de 90 dias, que termina em agosto, foi interpretado por analistas, como Francisco Jerónimo, da IDC, como o prazo para as relações comerciais com a Huawei voltarem ao normal. Contudo, com o lançamento já em junho deste sistema operativo, o cenário pode ser diferente. Desta forma, a Huawei quer mostrar que consegue continuar a competir no mercado da tecnologia sem precisar dos EUA.

Não foi ainda avançada informação sobre se este novo sistema operativo vai estar disponível para os atuais smartphones da Huawei. A empresa, e a Google, têm garantido que os produtos atualmente disponíveis vão continuar a funcionar, sem qualquer tipo de bloqueio.

*Notícia atualizada às 18h10 com comentário da Huawei e atualização da notícia por parte do TechRadar.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)