Rádio Observador

Cancro

Estudo. Noventa mil casos de cancro da pele em cinco anos

O estudo dos Investigadores do Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde (CINTESIS) fornece ainda uma análise à mortalidade e também aos custos hospitalares associados à doença.

Do total de cancros da pele detetados, cerca de 16 mil eram melanomas

Chris Hondros/Getty Images

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Investigadores do Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde (CINTESIS) concluíram que em cinco anos se registaram cerca de 90 mil cancros da pele nos hospitais públicos, o que justifica “uma maior aposta em estratégias de prevenção”.

De acordo com a investigação, a que a Lusa teve acesso esta segunda-feira, do total de cancros da pele detetados, cerca de 16 mil eram melanomas e os restantes 72 mil eram não-melanomas.

O objetivo do estudo era determinar a localização mais comum das lesões, a ocorrência de metástases, a mortalidade e também os custos hospitalares associados à doença.

Os investigadores concluíram que os doentes com melanoma têm uma idade mediana mais baixa (66 anos) e mais metástases (14% dos casos), sendo o tronco a zona do corpo mais afetada (32%).

Já os doentes com cancro da pele não-melanoma são em geral mais velhos (76 anos) e apresentam uma mortalidade mais baixa, embora fiquem mais tempo internados (nove dias em média contra 7,3 dos casos com melanoma) e os custos sejam, em média, mais elevados (2563 euros contra 2417 euros por cada hospitalização).

Se se considerar apenas as hospitalizações, “o melanoma foi responsável por mais de 35 mil dias de internamento, enquanto o cancro da pele não melanoma totalizou mais de 73 mil dias de internamento. Por ano, o melanoma custa 3,8 milhões de euros, ao passo que o não-melanoma tem custos da ordem dos 16,2 milhões de euros, isto é, cerca de quatro vezes mais”, sublinham os investigadores.

Salientam que estes números “estão provavelmente subestimados, uma vez que não são contabilizados os episódios ocorridos em instituições de saúde privadas”.

“Sabe-se que, com listas de espera que ultrapassam um ano no SNS, os doentes com recursos financeiros ou com seguro de saúde procuram cada vez mais o setor privado. A isto acresce que a maioria dos cancros não melanoma não são tumores de risco e podem ser tratados eficazmente fora do setor público”, explica, em comunicado, Ana Filipa Duarte, investigadora do CINTESIS e docente da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP).

A dermatologista considera que, “com o envelhecimento da população e os comportamentos de risco conhecidos, os casos de cancro da pele tendem a aumentar, bem como os seus custos. De facto, com a introdução de novos tratamentos, sobe não só a taxa de sucesso, mas também a despesa associada”.

A responsável defende, por isso, uma maior “aposta em estratégias de prevenção primária do cancro da pele e numa deteção precoce dos casos de cancro”, no sentido de reduzir a mortalidade e os custos que a doença acarreta.

“As campanhas de prevenção não podem, porém, subestimar a importância do cancro da pele não melanoma, quer em termos do seu impacto no sistema de saúde, quer dos seus custos, muito superiores em média aos do melanoma, quer da qualidade de vida dos doentes”, frisa a investigadora.

Os autores esperam que este estudo possa contribuir para uma maior consciencialização em torno da importância do cancro da pele enquanto problema de saúde pública e permitir, assim, a tomada de “decisões políticas assertivas” na área da prevenção.

Além de Ana Filipa Duarte, assinam esta investigação, publicada no jornal “Cancer Epidemiology”, Bernardo Sousa Pinto, Alberto Freitas, Luís Delgado, Altamiro da Costa Pereira e Osvaldo Correia.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)