Rádio Observador

Luís Marques Mendes

Marques Mendes. Partidos da “geringonça” só se entendem a “distribuir dinheiro”

436

O comentador da SIC criticou a forma como António Costa está a negociar a Lei de Bases da Saúde e de considerar PSD "uma espécie de 112". E diz que a geringonça como a conhecemos não volta.

O ex-líder do PSD falava no seu espaço de comentário habitual na SIC ao domingo à noite

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O ex-líder do PSD e comentador da SIC Luís Marques Mendes diz que a “geringonça” será irrepetível no futuro, porque os partidos que a compõem só se entendem “numa coisa: distribuir dinheiro”. No seu espaço habitual de comentário dominical na SIC, Marques Mendes classificou o acordo entre PS, PCP e Bloco de Esquerda como um “casamento de conveniência” que deu jeito a todos os intervenientes nesta legislatura, mas que não se repetirá da mesma forma.

“Eles entendem-se perfeitamente numa coisa: distribuir dinheiro. Em tudo aquilo que já não é dar dinheiro, que já não é dar benesses, eles não se entendem. Nas questões de fundo”, disse Marques Mendes, afirmando que “vai haver cada vez menos dinheiro para distribuir e mais reformas para fazer”. Por isso, uma “geringonça de papel assinado” já não se voltará a repetir. Haverá “entendimentos pontuais”, talvez a “viabilização de um orçamento”.

No entender de Marques Mendes, António Costa está a trabalhar no sentido de alcançar a maioria absoluta, usando vários mecanismos para o fazer: tentando chegar ao eleitorado do centro (por exemplo, esvaziando o PSD nas negociações da Lei de Bases da Saúde); alcançando o eleitorado do PCP e até “imitando o Presidente da República“. “Já tira selfies”, comentou Marques Mendes, sublinhando que Costa quer humanizar a sua imagem.

Marques Mendes comentou também aquilo que considera ser o “caos na saúde” e acusou Mário Centeno de ser o “coveiro” da degradação do Serviço Nacional da Saúde. “Mário Centeno é o grande coveiro desta situação. Merece um elogio porque pôs as contas em ordem, mas merece uma censura porque não foi equilibrada a distribuição de investimento. O problema do SNS é um problema seríssimo e não se resolve como uma nova Lei de Bases da Saúde, resolve-se é com investimento“, disse o ex-líder social-democrata.

Para Marques Mendes, o encerramento rotativo das urgências para grávidas na Grande Lisboa “não é um caso pontual”, mas sim sintoma de “situações generalizadas” em todo o SNS. “Faltam médicos, faltam enfermeiros, faltam outros profissionais. Isto é antigo”, afirmou, apontando dois fatores que contribuíram para o agravamento do estado do SNS: a lei das 35 horas e as cativações. “Hoje o panorama no SNS é pior do que era no tempo da troika, e já era mau. Quem não tem um seguro de saúde, quem não tem possibilidade de recorrer a um hospital privado, sofre com isto.”

Marques Mendes apontou ainda a ironia da situação, já que médicos e doentes preferem passar para o privado, e é o próprio setor privado que acaba por realizar as operações que o SNS não consegue fazer a tempo. A direita, disse Marques Mendes, fica com a “fama” de ser a favor do setor privado — mas é a esquerda que lhe dá o proveito.

O ex-líder do PSD criticou ainda a forma como António Costa está a gerir a negociação da nova Lei de Bases da Saúde, acusando-o de levar a cabo uma “jogada de esperteza” para chegar ao eleitorado social-democrata. “Por razões de calculismo”, disse Marques Mendes, Costa quer “substituir uma derrota por uma dupla vitória”. Em vez de uma lei chumbada, terá uma lei aprovada e passará a ideia de que que dialoga “à direita e à esquerda“, argumentou Marques Mendes.

Da forma que as coisas estão a ser feitas, parece que o PSD é uma espécie de pronto socorro. Parece que, quando não consegue resolver o problema à esquerda, António Costa vê no PSD uma espécie de 112, o partido de emergência, o partido de socorro”, considerou.

O comentador da SIC acrescentou ainda que “a Lei de Bases da Saúde não vai trazer nada de novo à saúde, nada de nada”. Será apenas usada por António Costa, assegurou, para dizer que “a saúde está em pantanas e agora finalmente temos um instrumento, uma ferramenta, para a pôr em ordem”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)