Rádio Observador

Exposições

Exposição em Lisboa cria experiência imersiva com 35 obras de Vieira da Silva

Uma exposição que usa tecnologias digitais e de 'media art' para proporcionar uma experiência imersiva do visitante em 35 obras da pintora Maria Helena Vieira da Silva é inaugurada quarta-feira.

Inacio Rosa/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Uma exposição que usa tecnologias digitais e de ‘media art’ para proporcionar uma experiência imersiva do visitante em 35 obras da pintora Maria Helena Vieira da Silva é inaugurada na quarta-feira, no Centro Comercial Colombo, em Lisboa.

“Vieira da Silva. Exposição imersiva na obra da artista” é inaugurada nesse dia, às 18h00, no âmbito da iniciativa “A Arte Chegou ao Colombo”, em 9.ª edição. A mostra ficará patente até 26 de agosto, de acordo com a organização.

O projeto será concretizado num museu temporário que estará no interior do Centro Comercial Colombo, com as obras de Vieira da Silva a ser alvo de animações, efeitos e desconstruções pela dupla criativa Oskar & Gaspar, com banda sonora de Rodrigo Leão.

A iniciativa conta com a parceria da Fundação Arpad Szenes-Vieira da Silva, que “participou na seleção das obras que vão estar em exposição, garantindo a qualidade, representatividade do percurso e o respeito pela integridade da obra da artista”, segundo a organização.

A dupla Oskar & Gaspar, um coletivo de profissionais de artes visuais e multimédia, especializado nas áreas de mapeamento de vídeo, projeção em 3D e design de palco, desenvolveu a conceção do projeto.

A curadoria musical do museu temporário está a cargo de Rodrigo Leão, responsável pela composição dos trechos que vão fazer parte da exposição, enquanto o projeto de arquitetura é da responsabilidade da plataforma multidisciplinar KWY.studio.

Mais conhecida pela pintura, Maria Helena Vieira da Silva (1908-1992) teve um percurso artístico que também passou arte pública, trabalhos de cenografia, tapeçaria, vitral e ilustração.

A iniciativa “A Arte chegou ao Colombo” foi lançada em 2011 e contou, no primeiro ano de arranque, com a parceria do Museu Coleção Berardo, na exposição dos trabalhos de quatro artistas nacionais — Joana Vasconcelos, Miguel Palma, Susana Anágua e Isaque Pinheiro.

Seguiram-se depois o Museu Nacional de Arte Antiga (2012), a exposição “Andy Warhol — Icons” (2013), a instalação interativa “The Pool”, da artista norte-americana Jen Lewin (2014), e a “A Divina Comédia de Salvador Dalí” (2015).

A praça central do Colombo recebeu ainda a exposição de fotografia de Terry O’Neill, “Faces of the Stars”, que antecedeu “O Mundo Fantástico de Paula Rego” — mostra que recebeu 224.500 visitantes, em três meses. No ano passado, foi a vez de “Roy Lichtenstein e a Pop Art”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)