Rádio Observador

Governo

Número de funcionários públicos aumentou 26 mil desde 2016 apesar do “2 por 1”

393

São mais 25.911 trabalhadores do que o registado no final de 2016, ano em que o Governo anunciou que iria manter a regra do “dois por um” na administração pública.

Outra das medidas no âmbito do Orçamento do Estado para 2019 é a contratação de mil técnicos superiores para a administração pública

Autor
  • Agência Lusa

O número de funcionários públicos aumentou em quase 26 mil desde 2016, apesar de o Governo se ter comprometido nesse ano a manter a regra de redução de trabalhadores de uma entrada por duas saídas, prevista acabar em 2020.

Os dados mais recentes da Direção-Geral da Administração e do Emprego Público (DGAEP) mostram que no final de 2016, primeiro ano do atual Governo socialista, havia 664.168 funcionários públicos, um número que subiu para 690.079 em março de 2019.

São mais 25.911 trabalhadores do que o registado no final de 2016, ano em que o Governo socialista anunciou, contudo, que iria manter a regra do “dois por um” na administração pública com o objetivo de uma aproximação às recomendações de então da Comissão Europeia.

A norma do “dois por um” ficou então inscrita no Orçamento do Estado para 2016 (OE2016), tendo o Governo na altura dito que isso representaria uma redução de 10 mil trabalhadores por ano e uma poupança anual de 100 milhões de euros.

De acordo com os dados da DGAEP, em vez de uma redução de 10 mil funcionários por ano, entraram, em média, mais de oito mil trabalhadores em cada um dos três anos completos da legislatura (entre 2016 e 2018). E até março de 2019, o aumento verificado é já de 6.488 postos de trabalho.

Se no OE2016 a norma do “dois por um” foi recuperada, no Programa de Estabilidade apresentado em abril de 2016 ficou claro que o rácio de entradas e saídas iria sendo aliviado ao longo dos anos para terminar definitivamente em 2020.

O ministro das Finanças, Mário Centeno, disse na altura que o Programa de Estabilidade previa “uma redução do número de funcionários utilizando uma regra de rotação similar à que estava em vigor em 2016 (duas saídas por uma entrada), convergindo para a estabilização do emprego público em 2020″.

Ou seja, a regra de por cada dois funcionários que saíssem do Estado entrava apenas um iria manter-se em 2016 e 2017. Em 2018 passaria a ser de três entradas por quatro saídas e, em 2019, aplicar-se-ia um rácio de cinco saídas para quatro entradas, atingindo uma saída por cada entrada em 2020.

O número de funcionários públicos caiu nos quatro anos do Governo de coligação PSD/CDS e durante o período da ‘troika’, para voltar a aumentar em 2015, ano de eleições legislativas. Porém, até agora o emprego público mantém-se em níveis inferiores aos de 2011.

No final de 2011 havia quase 728 mil funcionários públicos, mas até 2014 registou-se uma redução superior a 71 mil, representando uma queda de quase 10% nos quatro anos, segundo os dados da DGAEP.

Em declarações ao Expresso publicadas em 15 de junho, o primeiro-ministro, António Costa, defendeu que a partir de 2020 a prioridade para os recursos humanos no Estado será “a qualidade” o que irá obrigar a “preencher as inúmeras lacunas de contratação de pessoal na administração pública” e também a “rever significativamente os níveis remuneratórios dos seus técnicos superiores”.

No mesmo dia, o jornal Público avançava, citando como fonte um membro do Governo, que o programa eleitoral do PS vai defender a entrada de novos funcionários públicos para fazer face à degradação dos serviços e organismos do Estado, eliminado a norma do “dois por um”, o que já está previsto desde 2016.

Outra das medidas nesta área também já anunciadas pelo Governo no âmbito do Orçamento do Estado para 2019 é a contratação de mil técnicos superiores para a administração pública.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política Económica

“A embriaguez da vitória…”

Jorge Silveira Botelho
213

Se continuarmos embriagados com a política social de “panem et circenses”, na próxima crise vamos acabar por ficar sem passes, sem transportes e sem dinheiro para saúde, para justiça e para educação.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)