Rádio Observador

Moda

Do Quénia para a Comporta, a marca portuguesa que conquistou Madonna

744

Numa viagem ao Quénia, Miguel Marques da Costa descobriu o mais fino dos algodões. Em 2017, lançou a C.R.T.D. e a marca, que tem nova coleção, caiu nas graças da nossa vizinha mais exigente, Madonna.

Miguel Marques da Costa tem 26 anos e a marca que criou em agosto de 2017 cresceu mais depressa do que esperava. O bichinho da moda sempre esteve lá, mas a gestão hoteleira começou por levar a melhor. Mudou-se para a Suíça e, durante quatro anos, foi um aluno da especialidade. “A hospitalidade é importante, seja qual for o trabalho”, reconhece hoje. Numa viagem ao Quénia, um percalço de última hora. “Tinha acabado de chegar quando recebi um telefonema e soube que tinha ficado sem trabalho”, conta ao Observador. As férias em África já ninguém lhe tirava, tão pouco as três camisas que conseguiu mandar produzir numa fábrica de toalhas local.

De volta a Portugal, as três camisas novas fizeram sucesso. Diz-se que a necessidade aguça o engenho, mas Miguel precisou de um empurrão extra, o da família. Criou a marca, resumiu a expressão “Curated” numa sigla internacional — C.R.T.D. — e voou de volta para o Quénia. Afinal, era naquela fábrica que queria produzir a primeira coleção. “O algodão é tão fino que ainda hoje as pessoas perguntam se é seda”, admite. Com o lançamento das primeiras camisas, no final do verão, a primeira grande surpresa do negócio. “A marca teve logo imenso sucesso. Nunca esperei que as mulheres fossem usar tanto. Os tamanhos s esgotaram todos”, conta.

Aos 26 anos, Miguel Marques da Costa gere a própria marca de roupa. As primeiras duas coleções foram produzidas no Quénia, Madonna é cliente © Divulgação

A marca havia sido concebida para homens, mas foram elas a fazer descolar as vendas. Antes de Portugal, através da loja online, Miguel começou a receber encomendas de França, Reino Unido, Itália e Estados Unidos. A clientela espanhola veio depois, tal como as restantes nacionalidades, atraída pela leveza do algodão, pelo exotismo dos padrões e pela versatilidade das peças. “Acho que a fórmula do sucesso é mesmo a simplicidade do produto. A mesma peça pode ser vestida por um homem ou por uma mulher, numa saída à noite ou numa ida à praia, por miúdos de 15 anos ou por homens e mulheres de 85”, explica.

“Os portugueses só começaram a querer usar quando as viram lá fora”, admite. Lá fora e nas redes sociais de Madonna, que há precisamente um ano apareceu com uma camisa C.R.T.D. no Instagram. Uma surpresa para Miguel, que achava que as peças oferecidas por uma amiga em comum eram para os filhos da cantora. Entretanto, já quis mais e a marca ganhou uma embaixadora de luxo. A nova coleção acaba de sair, também ela feita no Quénia e com tecidos escolhidos na região. Depois das camisas, vieram as calças. Miguel admite ter subestimado os seus clientes quando optou por produzir poucas unidades. Para homens e para mulheres, o visual pijama colou e já está quase tudo esgotado. As camisas continuam a ser o produto mais procurado. Atualmente, existem com 64 padrões diferentes. Os preços vão dos 31 aos 86 euros.

Madonna já partilhou fotografias no Instagram a usar camisas da C.R.T.D. © Instagram.com/madonna

A loja do Museu do Arroz, na Comporta, continua a ser o principal ponto de venda físico. Miguel pensa agora em alargar a distribuição e sobretudo em ações pop-up que levem a marca mais além. Curiosamente, o Quénia não é o mais longe que quer ir. Depois das primeiras duas coleções, a C.R.T.D. ambiciona outras latitudes, mas também outras silhuetas. “Quero contar uma história em cada coleção”, refere. Fatos e peças em caxemira então entre as ideias em cima da mesa. A produção será sempre limitada, como convém a uma marca que veste estrelas.

Na fotogaleria, reunimos algumas das peças da nova coleção da C.R.T.D..

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)