Rádio Observador

CDS-PP

CDS quer dívidas do Estado abatidas em impostos

595

"Se o Estado nos deve dinheiro, essa dívida deve servir para pagar impostos". É este o mote da quinta medida do programa do CDS. Ideia é criar mecanismo de acerto de contas entre Estado e empresas.

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

É a quinta medida que o CDS divulga no âmbito do programa eleitoral para as legislativas: impedir que empresas a quem o Estado deve dinheiro tenham de pagar a totalidade dos impostos e contribuições durante o período em que decorre a dívida. A ideia é criar um mecanismo, a ser testado através de projetos-piloto em pequenas empresas, que faça um acerto de contas entre o que o Estado deve e o que a empresa tem de pagar ao Estado.

“O Estado é muitas vezes devedor, pagando tarde, fora de prazo. Isto sucede com muitas das aquisições de bens e serviços, em que o Estado pede sistematicamente aos seus credores que tenham um pouco mais de paciência. Mas isto não sucede quando o Estado é credor, nomeadamente de impostos e contribuições. Nessa altura, não perdoa um atraso”, lê-se no preâmbulo da proposta divulgada pelo CDS.

Esta é já a quinta medida que os centristas apresentam no âmbito da divulgação do seu programa eleitoral para as legislativas, depois de terem divulgado propostas para a Saúde (reencaminhar doentes para hospitais privados de forma a diminuir as listas de espera no SNS, e alargar ADSE a trabalhadores do privado), bem como para o Fisco, propondo que se evite abusos pelo menos enquanto decorrem os prazos para reclamações, ou para a formação profissional, ajustando a formação às necessidades reais das empresas.

Segundo se lê na proposta agora divulgada, o Governo já prometeu “várias vezes” a criação de uma conta-corrente entre Estado e empresas, que resolveria este problema, mas até à data, segundo os centristas, ainda não foi criada. Daí que o CDS proponha este mecanismo, que não teria custo para as empresas, e através do qual qualquer “empresa ou pessoa a quem o Estado deve dinheiro passa a poder descontar a fatura vencida e não paga, utilizando o dinheiro proveniente desse desconto para pagar os seus impostos (IVA, IRS, IRC…)”. A transação aconteceria através de títulos de dívida.

“Assim, as faturas vencidas e não pagas pelo Estado são convertidas, depois de devidamente certificado pelo Ministério das Finanças, em títulos de dívida”, explica o CDS, sublinhando que são esses títulos de dívida que servirão depois para fazer os pagamentos ao Estado, sendo que servirão apenas para esses pagamentos e terão um prazo de validade a definir.

A ideia é testar a medida em micro e pequenas empresas, alargando depois, de forma faseada, às restantes empresas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt
António Costa

O favor que Costa fez à direita /premium

Sebastião Bugalho

Nestes quatro anos, Costa normalizou tudo aquilo que a direita se esforçou por conquistar, o que levanta uma questão simples: o que poderá dizer o PS contra um futuro governo do centro-direita?

Combustível

O mundo ao contrário /premium

João Pires da Cruz

Se o seu depósito é mais importante do que aquilo que os pais deste bebé sentiram quando lhes disseram que o filho deles morreu instantes depois do nascimento, é porque tem o mundo ao contrário.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)