A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) apreendeu 8 garrafas de vinho tinto da marca “Barca Velha”, por suspeitas de falsificação, que estavam à venda na internet. O valor das garrafas podia ultrapassar, no total, os 4500 euros, caso fossem vendidas.

Em comunicado, a ASAE revela que as garrafas, encontradas em sites e leilões online, ostentavam a marca “Barca Velha”, das colheitas de 1978, 1982 e 2004,  e “eram suscetíveis de enganar os consumidores quanto à sua autenticidade, não só pelas afirmações na venda, pelos valores pedidos, mas também, pelas reproduções em si (rotulagem e apresentação geral, cujo envelhecimento é consonante com a suposta idade da colheita)”.

O “Barca Velha” é produzido apenas quando a qualidade da uva atinge uma qualidade de excelência. “As garrafas a serem comercializadas como genuínas, poderiam vir a atingir um valor de mercado superior a 4500 euros”, revela a ASAE. Foram identificados para já, dois indivíduos do sexo masculino, que vendiam em nome individual.

A investigação no âmbito de combate à fraude sobre mercadorias e contrafação, na área dos vinhos, com especial enfoque no mercado digital, estava a ser desenvolvida “nos últimos meses”. As apreensões ocorreram no decurso de dois processos-crime, por suspeita da prática dos crimes de fraude, usurpação de denominação de origem, fabrico e venda de artigos contrafeitos.

A ASAE alerta que as compras através da internet ou à distância exigem “uma cautela acrescida e uma decisão informada por parte do consumidor, para prevenir ou diminuir o risco de fraude, quer nos produtos, quer nos meios de pagamento”.