Rádio Observador

Alemanha

Merkel assinala atentado falhado contra Hitler com apelo contra extrema-direita

114

A chanceler alemã marcou o 75.º aniversário da conspiração mais famosa para assassinar o líder nazi Adolf Hitler, conhecida como "Operação Valquíria".

HAYOUNG JEON/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A chanceler alemã, Angela Merkel, apelou este sábado à luta contra os avanços da extrema-direita, por ocasião do 75.º aniversário da conspiração mais famosa para assassinar o líder nazi Adolf Hitler, conhecida como “Operação Valquíria”, hoje assinalada.

A líder alemã defendeu que a data de 20 de julho de 1944 deve ser recordada, “não só por aqueles que agiram (nesse dia), mas também por todos que se posicionaram contra o domínio nazi”.

“Hoje somos igualmente obrigados a opor-nos a todas as tendências que procuram destruir a democracia. Isso inclui o extremismo de direita”, reforçou a chanceler, citada pelos ‘media’ internacionais, exortando ainda a sociedade civil a integrar ações que fortaleçam a democracia.

A chanceler alemã ainda acrescentou que “há momentos em que a desobediência é obrigatória”, lembrando ainda a importância de preservar na memória os envolvidos na “Operação Valquíria” para que “as lições da História não se desvaneçam”.

Angela Merkel dirigiu ainda palavras de agradecimento ao oficial alemão de origens aristocratas Claus von Stauffenberg que, com outros conspiradores, tentaram matar Hitler, em 1944, com um explosivo escondido numa mala durante uma reunião no quartel-general do ‘führer’, perto de Rastenburg, atualmente território da Polónia.

Claus von Stauffenberg e cerca de 200 coconspiradores foram capturados e executados.

A “Operação Valquíria”, uma tentativa de golpe falhada que implicou vários milhares de militares e civis, foi o ato de resistência mais famoso contra o regime de Hitler. “Foram soldados modelos que se levantaram contra a tirania”, destacou, por sua vez, a ministra alemã da Defesa, Annegret Kramp-Karrenbauer, que assumiu a pasta esta semana após a eleição de Ursula Von der Leyen para presidir a Comissão Europeia.

Nos últimos anos, a Alemanha tem testemunhado um aumento de ataques associados à extrema-direita, bem como um crescimento político de forças desta corrente. Com uma agenda anti-imigração e nacionalista, o partido Alternativa para a Alemanha (AfD, extrema-direita) é atualmente a terceira força política no Parlamento alemão.

Em junho passado, um autarca alemão, Walter Lübcke, foi assassinado em Kassel, no Estado de Hesse (centro da Alemanha), e o principal suspeito, segundo as autoridades alemãs, é um simpatizante da extrema-direita.

Segundo dados governamentais recentes, existem cerca de 24 mil extremistas de direita na Alemanha, dos quais 13 mil estão identificados como potencialmente violentos.

Milhares de pessoas saíram hoje à rua em Kassel para protestar contra uma marcha neonazi, convocada há cerca de sete semanas após a morte de Walter Lübcke. Cerca de 8.000 pessoas participaram na manifestação antinazi, segundo dados da polícia local, enquanto a marcha promovida pelo partido radical Die Rechte reuniu cerca de 500 pessoas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)