Rádio Observador

Elétricos

Brutal! Pick-up da Rivian vira como um tanque

Numa altura em que a Rivian anuncia o início da produção da sua pick-up eléctrica, uma das mais promissoras na relação preço/performance, eis que a R1T surge num vídeo a virar como um tanque. Promete!

Foi no final de Novembro do ano passado, num evento à margem do Salão de Los Angeles que a Rivian apresentou a “Tesla das pick-ups”, a R1T, um modelo incrível do ponto de vista das especificações, sobretudo se tivermos em conta o preço pelo qual vai ser comercializada. Por valores a partir de 69 mil dólares (cerca de 62 mil euros), antes de incentivos governamentais, o construtor norte-americano liderado por R.J. Scaringe oferece uma pick-up com quatro motores eléctricos (um por roda), que totalizam a módica potência de 710 cv, capazes de impulsionar o veículo de 0 a 100 km/h em escassos 3 segundos. Ou seja, ao nível dos melhores desportivos do mercado. E, como se isso não bastasse, com uma autonomia estimada em 640 km – mas sob o ciclo EPA, mais exigente que o “nosso” WLTP – cortesia do recurso a um pack de baterias de 180 kWh.

Agora que arrancou a produção em Normal (Illinois, EUA), numa fábrica que era da Mitsubishi, surgiu um vídeo que se diz ter sido produzido pela agência de publicidade da Rivian, onde se vê a R1T a girar sobre ela própria, como se de um tanque se tratasse. Manobra de marketing ou não, a verdade é que um mês antes de ter apresentado ao mundo a sua pick-up, a 24 de Outubro de 2018, a Rivian tratou de registar no Departamento de Marcas e Patentes dos Estados Unidos os termos “Tank Turn” e “Tank Steer”.

Visualizando o vídeo, é exactamente isso que a pick-up faz num piso de terra: a R1T roda sobre o eixo vertical do veículo, o que não deixaria de ser uma preciosa ajuda nas manobras, atendendo às generosas dimensões deste modelo da Rivian (mais de 2 metros de largura e 5,5 de comprimento). Como é que este “revolucionário” truque, que só estamos habituados a ver em manobras de guerra, pode funcionar? O trunfo estará no funcionamento independente da unidade eléctrica que actua sobre cada roda. Com quatro motores para cada uma das rodas, basta conceber um software que ordene às rodas da esquerda para girarem para trás e às rodas da direita para executarem o movimento oposto. Et voilà!

A confirmar-se esta funcionalidade na R1T – e foram já vários os responsáveis da marca que aventaram essa possibilidade –, é de esperar contudo limitações, com Brian Gase, da Rivian, a ter avançado que este recurso estará apenas disponível em pisos de terra ou gravilha, para não esforçar o material.

De recordar que o Rimac C-Two, porque também controla de forma independente cada um dos motores, consegue gerir o torque em cada uma das rodas, melhorando assim a eficácia em curva.

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: scarvalho@observador.pt
Minas

O lítio. Contra a desinformação marchar, marchar!

Filipe Anacoreta Correia
1.254

A extração do lítio não representa um retorno elevado e a acontecer seria o mais grave atentado à riqueza do nosso país: o desenvolvimento sustentável e a preservação do seu património natural.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)