As mais de 70 mil golas de proteção de fumo para pescoço e rosto que foram compradas pela Proteção Civil e depois foram distribuídas em aldeias localizadas em zona de especial risco de incêndio, mas que afinal eram inflamáveis, foram adquiridas a uma empresa detida pelo marido de uma autarca socialista. A notícia é avançada pela revista Sábado, que refere que a Foxtrot — Aventura, Unipessoal, Lda. pertence a Ricardo Nuno Peixoto Fernandes, residente em Longos, Guimarães e casado “em comunhão de adquiridos” com a presidente da junta de freguesia de Longos, Isilda Silva, eleita com o apoio do PS.

Em declarações à rádio Observador, Ricardo Fernandes defendeu-se e afirmou: “Quem conhece a minha esposa e a minha empresa sabe que isso é impensável. Se soubesse que isto ia ter implicações para ela jamais ia concorrer a este concurso”. Relativamente ao material inflamável, o empresário diz que apenas seguiu o caderno de encargos. “Foi nos pedido um tipo de material e a gente tratou de o vender”, dizendo que não se pronunciou quanto à eficácia para um fim de proteção para incêndios.

O empresário disse ainda que nunca disse que nada à Proteção Civil relativamente ao produto que vendeu para o que considera ter sido uma ação de sensibilização. “A ANPC tem, garantidamente, pessoas qualificadas e com conhecimento para esse material em utilização para lhe chamar um kit para o combate a incêndios. A ANPC sabia quais os fins a dar a esse equipamentos”, afirmou.

Foi ainda revelado nestas declarações que, por a Foxtrot não ser uma empresa têxtil, foi encomendado o material a outra empresa para depois o vender ao Estado.

A autarca recandidatou-se em 2017 à presidência da junta de freguesia vimaranense “pelo Partido Socialista”, como referia o site Mais Guimarães a 17 de março desse ano. Cerca de nove meses depois do seu anúncio de recandidatura — e, segundo a TVI24, dois meses depois da criação do programa da Proteção Civil “Aldeia Segura” (criado pelo Governo em Conselho de Ministros) — era constituída a empresa do marido, que operaria no setor de “turismo de natureza”, como relata a Sábado, citando informação oficial. A empresa teria como áreas de negócio “exploração de parque de campismo e caravanismo, exploração de estabelecimentos de restauração e de bebidas, nomeadamente bares e restaurantes, exploração de mini mercado, comércio, importação e exportação de produtos alimentares, bebidas e tabaco”.

Meio ano depois de ser constituída, já em junho de 2018, a Foxtrot — Aventura, Unipessoal, Lda celebrou dois contratos com a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), vendendo as golas (que caso sejam utilizadas durante um incêndio representam risco acrescido para os cidadãos) e outro material de “auto-proteção” por um valor total de 328.356 euros.

Além de mulher do detentor da empresa que vendeu as golas inflamáveis, Isilda Silva terá sido também 1ª Secretária da Associação dos Bombeiros Voluntários das Caldas das Taipas, refere o site Mais Guimarães.

Cartaz de campanha da recandidatura da autarca, disponibilizado no site Mais Guimarães

Esta sexta-feira, o Observador revelou que a Proteção Civil distribuiu às populações mais de 70 mil golas de proteção de fumo para o rosto e pescoço que são inflamáveis e podem constituir perigo caso sejam utilizadas num cenário de incêndios. são compostas por 100% de poliester e estão a ser distribuídas desde o verão de 2018 em várias aldeias em zonas de risco no âmbito dos programas “Aldeia Segura” e “Pessoas Seguras”. O próprio fornecedor das golas contou ao Observador que propôs que as máscaras fossem feitas de material resistente às chamas, mas a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) não aceitou por ser mais caro e alegou que as golas eram distribuídas numa lógica de “merchandising“ e “propaganda“.

Embora as golas tenham sido apresentadas à população como fazendo parte de um kit de proteção contra incêndios, a ANPC nega que tenham essa função ou que as pessoas utilizem as golas em caso de incêndio. “Importa salientar que estes materiais não assumem características de equipamento de proteção individual, nem se destinam a proporcionar proteção acrescida em caso de resposta a incêndios rurais, consubstanciando-se em material de sensibilização.“, escreveu a ANPC em resposta ao Observador. Material de sensibilização que custou, no caso das golas inflamáveis, mais de 300 mil euros.

[Notícia atualizada às 17h25 com comentários de Ricardo Fernandes]